Mortes durante onda de terror são arquivadas

Em 61% dos casos de maio de 2006 não houve atribuição de autoria

Bruno Paes Manso, O Estadao de S.Paulo

13 de maio de 2009 | 00h00

Três anos depois dos ataques do Primeiro Comando da Capital (PCC) e da reação da polícia nos dias que se seguiram com saldo de 493 mortes por armas de fogo entre os dias 12 e 21 de maio de 2006, 61% dos 54 casos de homicídios (com 89 vítimas) acompanhados pela Ouvidoria de Polícia foram arquivados sem atribuição de autoria. Em somente cinco ocorrências os autores foram identificados - em três delas PMs foram apontados como responsáveis.Na tarde de ontem, durante evento que relembrou as mortes, autoridades e entidades de defesa dos direitos humanos pediram o desarquivamento dos casos com suspeitas de execução classificados como "resistências seguidas de morte".O defensor público Pedro Giberti argumenta que essa classificação atrapalha apuração e julgamento. Ele acompanhou o processo de Rogério do Carmo Pereira, morto no Ipiranga, durante a semana dos ataques. Antes de morrer, testemunha afirmou que ouviu ele implorar para não ser assassinado e depois o viu ser carregado por policiais. A delegacia indiciou a vítima por crime de resistência. O promotor Augusto Rossini, também presente ao evento, disse que hoje o Ministério Público tem mecanismos para que casos de homicídios sejam apreciados pela Vara do Júri. "Quando vemos desvios como esse, o promotor do júri é solicitado para entrar no caso", diz. No balanço, a quantidade de casos elucidados foi maior quando a vítima era PM. Entre os 24 casos, em 16 foram apontados autores e nenhum foi arquivado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.