Cyneida Correia
Cyneida Correia

Mortes em Roraima demonstram 'falta de controle das autoridades', diz Human Rights Watch

A organização de direitos humanos disse que as mortes não são acidentais e que o sistema prisional brasileiro precisa de uma reforma estrutural 'profunda e urgente'

Isabela Palhares, O Estado de S. Paulo

06 Janeiro 2017 | 14h16

SÃO PAULO - A morte de 31 presos na Penitenciária Agríciola de Boa Vista (PAMC), em Roraima, nesta sexta-feira, 6, demonstra mais uma vez a falta de controle das autoridades brasileiros sobre o que acontece dentro dos presídios, disse a ONG Human Rights Watch. O massacre em Roraima acontece quatro dias após a morte de 60 detentos em duas penitenciárias de Manaus. 

A advogada Maria Laura Canineu, diretora no Brasil da Human Rights Watch, disse que as mortes "não são acidentais". "Resultam de décadas de negligência das autoridades brasileiras. O sistema prisonal precisa de uma reforma estrutural profunda e urgente que passa pela ampliação das alternativas à prisão, garantia de assessoria jurídica para os presos e eliminação dos atrasos judiciais injustificados", disse em nota. 

Ela disse ainda que é necessário que o Estado garanta  a ressocialização por meio de programas educacionais e de trabalho, e cumpra a legislação internacional e nacional sobre a separação dos presos.

E ressalta que os episódios em Roraima e Manaus demonstram a necessidade de o país revisar sua "política retrógada de drogas". "Que resulta no encarceramento de milhares de pessoas por quantidades pequenas de drogas", concluiu Maria Laura. 

A organização de direitos humanos tem trabalhado mais diretamente com as prisões brasileiras desde os assassinatos em série no Complexo de Pedrinhas, no Maranhão, em 2013.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.