Mortes foram por impacto

Equipe prepara embalsamamento das três primeiras vítimas

Angela Lacerda, O Estadao de S.Paulo

23 de junho de 2009 | 00h00

Politraumatismo. Essa foi a causa da morte de 3 das 50 vítimas do voo 447 da Air France que tiveram os corpos resgatados na operação de buscas. Isso significa que as três vítimas - uma mulher e dois homens, todos brasileiros - sofreram lesões traumáticas provocadas por forte impacto. A informação foi dada ontem pelo médico José Calvo, chefe de equipe da empresa paulista Aespe (Atendimento Especial ao Esquife), contratada por uma seguradora da Air France para o embalsamamento dos corpos. O trabalho está sendo realizado no Cemitério e Funerária Morada da Paz, no município metropolitano de Paulista.   Veja também  Todas as notícias sobre o Voo 447 Especial: Os desaparecidos do voo 447  Especial: Passo a passo do voo 447  Galeria de fotos: buscas do Voo 447  Galeria de fotos: buscas da FAB pelo Voo 447  Galeria de fotos: homenagem às vítimas Cronologia das tragédias da aviação brasileira Cronologia dos piores acidentes aéreos do mundo "Todos estão diagnosticados, têm uma causa de morte bem definida", afirmou o médico, com base no trabalho dos legistas. "As lesões compatíveis com a causa da morte foram muito bem documentadas, radiografadas, com técnica considerada adequada, e constam de laudo necroscópico, certidão de óbito e atestado de óbito." A força-tarefa que atua no Instituto de Medicina Legal (IML) do Recife só vai pronunciar-se oficialmente sobre as causas dos óbitos ao término das necropsias nos 50 corpos resgatados, o que deve ocorrer até o fim deste mês. Calvo destacou, porém, que não se pode deduzir a causa do acidente com base nas mortes dessas três vítimas. Elas estão entre as 11 primeiras identificadas pela força-tarefa.Os corpos só são encaminhados ao Morada da Paz quando há liberação do IML, mediante assinatura de atestado de óbito por familiares ou representantes legais. Até a noite de ontem, nenhum outro dos corpos identificados havia chegado para embalsamamento. Parentes de uma das vítimas estiveram no Morada da Paz. Um deles quis ver o corpo, mesmo tendo conhecimento do seu estado. Ele se mostrou visivelmente abatido depois de ter a vontade realizada.ÚLTIMO CORPOO quinquagésimo corpo recolhido na área de buscas, a cerca de 1.450 quilômetros do Recife, chegou ontem ao Porto do Recife, a bordo do navio-tanque Almirante Gastão Motta, da Marinha brasileira. O corpo, resgatado pelo navio francês Mistral no dia 16, foi imediatamente levado ao IML, onde já se encontravam os outros 49 cadáveres.Responsável pelo abastecimento de combustível de embarcações brasileiras e francesas que se encontram na região de buscas, o navio-tanque também desembarcou despojos - fragmentos que só poderão ser confirmados como partes de corpos humanos depois de exames dos peritos legistas - e mais de 20 destroços. Esses foram recebidos por representantes do BEA, o escritório francês que investiga as causas do acidente.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.