Reuters
Reuters

Mortes violentas de homens caíram 41,5% em SP na última década

No Rio, redução foi de 21,8%; em AL e no CE, crimes e acidentes aumentaram, indicam 'Estatísticas do Registro Civil', do IBGE

Roberta Pennafort, O Estado de S. Paulo

30 Novembro 2015 | 10h00

RIO - Nos últimos 40 anos, a proporção de mortes violentas (especialmente assassinatos e acidentes de trânsito) em relação ao total de óbitos registrados no País cresceu de 6,4% para 10,2%. Os homens correm muito mais risco: a participação da população masculina nos óbitos violentos chega a 84,2%, segundo as Estatísticas do Registro Civil, que o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulga nesta segunda-feira, 30. O grupo etário mais vulnerável é o de 20 a 24 anos, com sobremortalidade de 4,9 em relação às mulheres dessa idade, ou seja, um homem tem 4,9 vezes mais chance de morrer nessa idade do que uma mulher. Em 1974, essa diferença era de 1,7 vez.

Na década de 2004-2014, no entanto, registrou-se queda importante da mortalidade masculina por causas violentas nos estados de São Paulo, de 41,5%, e do Rio de Janeiro, de 21,8%. A sobremortalidade, consequentemente, caiu. O IBGE acredita que isso se deva aos esforços dos dois estados no período para a contenção da criminalidade. Nessa década, houve aumento das taxas em Alagoas (de 73,0 para 160,8 a cada 100 mil homens) e no Ceará (de 69,3 para 141,5 a cada 100 mil).

Com os brasileiros vivendo cada vez mais, a participação da morte de idosos no volume de óbitos do País foi muito impactada: em 1974, quando a população era muito jovem, o número de mortes de pessoas de 65 anos ou mais representava 27,3% do total; em 2014, o percentual era de 56,9%.

Mais conteúdo sobre:
ViolênciaIBGE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.