Mortos no Rio já são 60; deve chover no ano-novo

O número de vítimas em decorrência das chuvas no Estado do Rio de Janeiro subiu para 60 nesta sexta-feira, depois que quatro corpos foram encontrados sob o lamaçal em Petrópolis, na região serrana ? onde 45 pessoas morreram. Um bebê continua desaparecido e está sendo procurado por uma equipe do Corpo de Bombeiros. A chuva, que cessou nos últimos dias na maior parte do território fluminense, poderá voltar a partir de 1º de janeiro, quando a frente fria que permanece no Rio vai se intensificar, conforme prevê o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet).Os corpos encontrados neste sexta-feira em Petrópolis estavam nas duas localidades mais afetadas pelo temporal, Vila Felipe e Quitandinha ? bairro onde as buscas estão concentradas. A criança ainda não localizada tem dois meses e há poucas chances de encontrá-la com vida. Muitas pessoas que constavam da lista de desaparecidos foram localizadas nos abrigos improvisados pelo município. Quase 800 petropolitanos perderam suas casas. O trabalho da prefeitura agora está voltado para a limpeza e reconstrução da cidade imperial ? foram abertas frentes de trabalho com mil vagas.BaixadaNa Baixada Fluminense, há muitas famílias aglomeradas em escolas. A servente Maria das Graças de Oliveira Caetano, de 26 anos, moradora de Olavo Bilac, bairro de Duque de Caxias, está acampada desde terça-feira na escola estadual Fidélis Medeiros com as filhas Daniele, de dez meses, e Angélica, de dois anos, as duas com pneumonia. Ela perdeu tudo e não pode voltar para casa ? seu barraco foi alagado e corre o risco de desabar. ?Não posso voltar e não tenho para onde ir. Os vizinhos me impediram de entrar, o barraco tá querendo cair?, diz ela. ?Não volto mais pelas crianças, porque lá é só esgoto, e elas estão muito mal.? Pelo menos 500 pessoas passaram hoje pela escola estadual, onde estão centralizadas as ações de amparo aos desabrigados em Caxias. Roupas, sapatos e alimentos não param de chegar. O trabalho de coleta e distribuição é feito por voluntários. ?Todo mundo que chega aqui é atendido. Chegou com fome, entra e come. Não há como filtrar as pessoas da fila: às vezes o cara não está desabrigado, mas está desempregado?, disse o presidente da Associação de Moradores do bairro de Jardim Leal, Jérson Mascarenhas, que coordena a ação. ?Isso aqui é resultado da ação da sociedade. Esperamos que os governos federal, estadual e municipal se entendam.?EstradaInterditada desde o início da semana em decorrência de deslizamentos de terra, a rodovia BR-040, que liga Petrópolis à capital fluminense, foi reaberta às 8 horas nos dois sentidos, embora, em alguns trechos, o tráfego ainda esteja sendo operado em meia-pista. Em vários locais, o asfalto escorregadio provocava lentidão.De acordo com os meteorologistas, o tempo deverá ficar nublado deste sábado a segunda-feira, com possibilidade de fortes pancadas de chuva. Na semana que vem, as regiões Serrana, do Vale do Paraíba, Metropolitana e o Litoral Sul serão as que mais sentirão os efeitos da frente fria que está no Rio e também em São Paulo. A tendência, informa o Inmet, é que a frente ? que provocou o temporal que castigou o estado no Natal ? se intensifique.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.