Mortos por chuvas em Minas podem ser mais de 33

As fortes chuvas que atingiram Minas Gerais nos últimos dias já provocaram a morte de pelomenos 33 pessoas, de acordo com balanço da Coordenadoria Estadual de Defesa Civil(Cedec), divulgado no final da tarde desta sexta-feira. O número de feridos chegou a 91 e,segundo o Cedec, ainda há desaparecidos na região metropolitana e interior do Estado.No bairro do Taquaril, na região leste da capital, um lavrador morreu enquanto dormia, quando o barraco onde morava foi soterrado por um deslizamento de terra. Nesta quinta-feira, duas pessoas haviam morrido em deslizamentos de terra na mesma favela.Outros três corpos foram resgatados no Bairro Industrial, em Contagem, na região metropolitana. Na madrugada desta quinta-feira um morro desabou sobre três barracos, soterrando doze pessoas. Duas escaparam com vida e outras duas continuamsob a lama. Ao todo, oito corpos já foram retirados do local.A chuva voltou a cair no final da tarde desta sexta-feira, e o Corpo de Bombeiros interrompeu as buscas. No interior do Estado, o cenário se repete. A região Leste é a mais atingida. EmPonte Nova, uma tromba d?água na madrugada desta sexta atingiu quatro bairros na parte alta da cidade. De acordo com o Cedec, quatro pessoas morreram.Segundo informações da Prefeitura, outras quatro estão desaparecidas. Quarenta famílias foramdesabrigadas e cerca de 800 pessoas ficaram desalojadas. Conforme relato de moradores, foram registrados vários danos materiais nocentro comercial da cidade. O rio Piranga transbordou e a água inundou lojas e destruiuestabelecimentos.O prejuízo estimado no comércio pela prefeitura local é de R$ 5 milhões. O térreo do Hospital Arnaldo Gavaza foi inundado. Duas pontes foramdestruídas, impedindo a ligação do município com cidades vizinhas.Caratinga, também na região leste de Minas, continua em estado de calamidade pública. Outros 12 municípios decretaram estado de emergência. O número de desabrigados contabilizados pela Defesa Civil este ano no Estado subiu para 1.115. Há 8.207 pessoas desalojadas. Sessenta e nove casas correm risco de desabamento, outras 2.712 foram danificadas ou destruídas e 21 pontes foramdestruídas ou danificadas.De acordo com o 5º Distrito de Metereologia, as condições metereológicas continuam favoráveis à ocorrência de chuvas e ventos fortes até a próxima terça-feira nas regiões oeste, leste, centro, sudeste e sul de Minas Gerais.O governador Aécio Neves (PSDB), visitou nesta sexta-feira duas vilas em Contagem. Ele anunciou a liberação de R$ 5 milhões do Tesouro estadual para ações emergenciais nos trechos mais críticos das estradas e para o aparelhamento do Corpode Bombeiros e da Defesa Civil. Aécio disse que ainda não é necessário a decretaçãode estado de calamidade.Em nota oficial, o prefeito de Belo Horizonte, Fernando Pimentel (PT), determinou ao procurador geral do município, Marco Antônio Resende, que ?desse entrada a uma medida cautelar visando obter liminar judicial que permita a remoçãoimediata das famílias que se encontrem em situação de risco e que estejam resistindo àorientação de retirada por parte da Defesa Civil?.O comunicado, divulgado pela assessoria da Prefeitura, informa que conseguida a liminar, a administração municipal solicitará apoio à Polícia Militar para a retirada dos moradores.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.