Mostra de Cinema deve atrair 200 mil pessoas

Na 32ª edição, festival, que começou na sexta-feira, fará homenagem ao cineasta alemão Win Wenders

O Estadao de S.Paulo

19 Outubro 2008 | 01h00

"A Mostra traduz a essência de São Paulo. Carregamos a pluralidade da cidade. Se o evento fosse realizado em outra cidade seria diferente." As palavras do idealizador da Mostra Internacional de Cinema de São Paulo, Leon Cakoff, revelam o espírito que deverá levar mais de 200 mil pessoas a procurar as mais de 40 salas de cinema espalhadas pela capital. Freqüentadores da maratona cinematográfica, como o aposentado Francisco Monteagudo, de 68 anos, apostam na diversidade de nacionalidades e de roteiros para fazer suas escolhas. "É a oportunidade de assistir a filmes que nunca mais teremos a chance de ver." Por pelo menos duas semanas, Elie Politi, de 61 anos, ficará escondido no escuro das salas de cinema da cidade. Há 32 anos, o engenheiro freqüenta a Mostra e nesta edição não será diferente. "O ideal seria que a Mostra ocorresse o ano todo", empolga-se. Em 14 dias de maratona cinematográfica, Politi pretende assistir a pelo menos 80 filmes. A presença constante no Masp, onde a Mostra era realizada anteriormente, rendeu amizades. Ao lado dos amigos cinéfilos, Politi fundou a "Confraria Lumière", homenagem aos criadores da sétima arte. O grupo discute os filmes que assiste e publica comentários em um fórum virtual. "É muito bom fazer amizade com as pessoas que encontramos na época da Mostra. Há alguns que só vemos nesse período", conta. Trocar materiais sobre os filmes favoritos também é obrigação entre os amigos. Os membros da confraria são de diversos Estados. Os cinéfilos cariocas também são convidados a expressar suas opiniões sobre os filmes assistidos durante o Festival do Rio, que ocorre algumas semanas antes do evento em São Paulo. "Acabamos conhecendo amantes da sétima arte de toda parte", afirma Politi. FÓRMULA A seleção prioriza filmes que não estarão no circuito comercial. "A fórmula é a mesma de todos os anos. Tentamos agregar fama ao conteúdo e, assim, atrair o público", conta Leon Cakoff. Na 32ª edição, a Mostra Internacional faz uma homenagem ao trabalho de Wim Wenders, cineasta alemão responsável por clássicos como Paris, Texas (1984). Entre os convidados especiais, o ator Benicio Del Toro, protagonista de Che, é o destaque. Vencedor do prêmio de melhor ator em Cannes, ele apresentará a cinebiografia do revolucionário argentino.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.