'Mostraram fragilidade', diz Beltrame sobre criminosos antes de ocupação

Secretario lamentou o fato de traficantes estarem sendo escoltados por policiais

Solange Spigliatti, do estadão.com.br,

10 Novembro 2011 | 09h14

SÃO PAULO - Em entrevista ao jornal 'Bom Dia Brasil', da TV Globo, o secretário de Segurança Pública do Rio de Janeiro, José Mariano Beltrame, afirmou que os criminosos da Rocinha, na zona sul do Rio, demonstraram fragilidade antes da ação realizada durante a madrugada desta quarta-feira, 10, que acabou com a prisão do traficante Antônio Bonfim Lopes, conhecido como "Nem".

"Eu acho que o mais importante [nesta operação] é a quebra do paradigma do império do território. Prender traficantes, apreender armas e drogas é fundamental, mas a estratégia que está sendo utilizada é exatamente a inversão do paradigma de território, é a quebra do muro imposto por armas. Na medida em que simplesmente se anunciou que isso ia acontecer, essas pessoas [os criminosos] mostraram fragilidade", disse.

Beltrame afirmou ainda que cada ocupação em favelas do Rio de Janeiro segue uma estratégia diferente. "Não há uma receita concreta de pacificação. A gente se prepara para entrar, sem confronto, mas não sabemos o que os criminosos têm na cabeça. Na Rocinha, a operação começou há cerca dez dias e ainda não terminou", afirmou.

Questionado sobre o fato de traficantes estarem sendo escoltados por policiais no momento da prisão, Beltrame lamentou. "Isso é triste, lamentável. Mas é preciso lembrar que temos os policiais que prenderam o próprio Nem. Tenho certeza que esse fato [a escolta] envergonha a todos, mas os policiais de bem também se sentem orgulhosos pela prisão".

UPP

A previsão é de que a ocupação aconteça no próximo domingo, 13, mas de acordo com Beltrame detalhes sobre a instalação da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) na Rocinha serão mantidos sob sigilo.

Mais conteúdo sobre:
traficantenempresorocinha

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.