Motin na nova Detenção de Benfica assusta moradores

A Casa de Custódia de Benfica, na zona norte, inaugurada há um mês, é palco de um motim que começou com a fuga de pelo menos 30 dos 900 detentos, que saíram pelo portão principal. A polícia foi acionada e houve troca de tiros. Até o início da tarde, os presos continuavam rebelados e, de acordo com policiais que trabalham na negociação, 15 pessoas ainda estão sendo mantidas como reféns, entre agentes penitenciários e prestadores de serviços. O secretário de Administração Penitenciária, Astério Pereira dos Santos, informou que pelo menos quatro policiais militares que faziam a segurança das guaritas da Casa de Custódia de Benfica, na zona norte do Rio de Janeiro, ficaram feridos.O presídio fica numa região residencial com os fundos voltados para a Favela do Arará. No quarto andar da unidade, funciona a carceragem do Ponto Zero, destinada a presos de nível superior de escolaridade, onde estão o ex-deputado Sérgio Naya e Rodrigo Silveirinha, condenado por desvio de verbas no escândalo do propinoduto. No entanto, a área é isolada do resto da unidade, onde houve a rebelião. Moradores vizinhos atribuíram as grandes explosões que começaram a ouvir a partir das 6 horas a granadas. Um grupo de homens armados teria ajudado os presos a arrombar o portão principal. Mas a Secretaria de Segurança Pública nega esta versão. Os presos dominaram um policial militar que fazia a segurança do portão principal. O secretário de Administração Penitenciária, Astério Pereira dos Santos, não disse o número de fugitivos. Segundo policiais, os rebelados portavam até fuzis e chegaram a queimar colchões. Pelo menos quatro carros foram roubados nas imediações durante a fuga. Quatro PMs que faziam a segurança das guaritas ficaram feridos. Um deles se jogou da guarita, que fica em cima do muro de 4 metros de altura.Garotinho - Enquanto homens dos batalhões de Choque e de Operações Especiais da PM mantinham o cerco à Casa de Custódia, o secretário de Segurança Pública, Anthony Garotinho, participava do programa de rádio da governadora Rosinha Matheus. ?A polícia agiu rapidamente, o local foi cercado e a situação está absolutamente sob controle?, disse Garotinho. Dentro do presídio, os detentos faziam buracos nas paredes da unidade recém-construída e gritavam palavras de ordem. Garantindo que estavam armados, eles diziam que também mantinham presos de outras facções como reféns. A maioria dos rebelados faz parte do Comando Vermelho. Os presos pediam garantia de integridade física e a presença de representantes da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e da Secretaria de Direitos Humanos. Amedrontados, moradores protestaram contra a localização da Casa de Custódia, que fica bem próximo das casas e na frente de duas escolas públicas. ?Foram tantos tiros e explosões, que minha casa tremia. Os bandidos passam o dia inteiro gritando e fazendo ameaças entre eles. Imagina se essa rebelião tivesse acontecido numa hora de aula?, disse uma moradora, que teve medo de se identificar. O clima de tensão também marcava parentes de detentos que aguardavam informações na porta da Casa de Custódia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.