Moto e armas de PMs são apreendidas

Presos sob suspeita de matar mãe de traficante, três policiais podem ter ligação com assassinato de coronel

Camila Molina, O Estadao de S.Paulo

26 de janeiro de 2008 | 00h00

A polícia apreendeu uma motocicleta Honda Falcon preta, armas, toucas ninja e celulares com os três PMs detidos anteontem sob suspeita de tentar matar um traficante e de assassinar a mãe dele, em 2007. Está sob investigação a possibilidade de envolvimento dos três, cujos nomes não foram divulgados, na morte do coronel José Hermínio Rodrigues, comandante da Polícia Militar da zona norte de São Paulo, no dia 16.A moto é um dos principais indícios que ligam os crimes, pois é do mesmo modelo e cor da usada na execução do coronel. O delegado do Departamento de Homicídios e de Proteção à Pessoa (DHPP) Marcos Carneiro Lima e a tenente-coronel da Corregedoria da PM Ângela Di Marzio deram ontem detalhes sobre a prisão dos PMs, que negaram participação nos crimes.Segundo Ângela di Marzio, mais de 20 PMs estão sendo chamados à Corregedoria como colaboradores para a investigação, feita pelas Polícia Militar e Civil. O delegado Carneiro disse que "há a possibilidade de que outros policiais estejam envolvidos". Foram apreendidos com os PMs três cheques roubados - um deles de um correntista investigado pela polícia. Segundo o delegado, as justificativas dos policiais não foram convincentes. Não foi detectado sangue na moto. O delegado também diz que os três "não são tratados como suspeitos da morte do coronel Hermínio", apesar de terem sido subordinados dele. O traficante que sofreu o atentado, preso e ouvido nas investigações, reconheceu os três PMs. Ele foi vítima de um flagrante de arma forjado depois de ter sofrido extorsão por policiais. A seguir, aconteceu a tentativa de homicídio. Por fim, a mãe, que ameaçou denunciar os policiais, foi morta no mesmo estilo da execução do coronel - com um tiro na cabeça e vários outros no corpo. "Ainda não sabemos se os calibres das armas usadas nos dois assassinatos batem." O resultado das perícias deve sair em dez dias.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.