Motoboy reconhece acusado de tentativa de estupro perto da USP

Um motoboy que testemunhou a tentativa de estupro contra a faxineira M.P.S., de 48 anos, na Favela São Remo, zona oeste de São Paulo, na última sexta-feira, reconheceu a foto de um cabo da marinha, identificado como Jorge, como sendo o autor da agressão. O marinheiro chegou a ser apontado como suspeito dos estupros ocorridos no campus da Universidade de São Paulo (USP) e região, mas acabou inocentado, depois de passar por sessão de reconhecimento.O cabo não foi identificado por nenhuma das seis vítimas - três são alunas. Com o testemunho do motoboy, o marinheiro, que é solteiro e vive em Sorocaba, volta a ser investigado e deve passar por nova sessão de reconhecimento, logo que a polícia consiga localizar um entregador de pizzas que também testemunhou o ataque.A delegada Maria Cristina Mazzarello, da 3ª Delegacia de Defesa da Mulher, está convencida de que o ataque, apesar de ter ocorrido próximo da USP, não está relacionado com os demais. "Algumas vítimas disseram ter condições plenas de reconhecer o agressor e elas descartaram a participação do oficial", disse.A faxineira admitiu não ter condições de reconhecer o homem que a atacou."Ele a dominou pelas costas e não mostrou o rosto. O depoimento das outras testemunhas tem mais valor, já que elas ficaram cara a cara com o agressor", disse a delegada.Segundo Maria Cristina, o motoboy disse que o estuprador era forte e chegou a lutar com ele antes de fugir e deixar cair a mochila, onde foram encontrados objetos pessoais e a identidade funcional, que levou à localização.Nesta quarta-feira, cerca de 80 alunos da USP fizeram uma manifestação para pedir segurança no campus. Havia a informação de que uma nova tentativa de estupro ocorreu, mas a polícia não registrou nenhuma ocorrência.

Agencia Estado,

04 de dezembro de 2002 | 21h40

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.