Motoqueiro que atropelou Fromer é condenado a prestar serviços

O atropelamento e morte do titã Marcelo Fromer foi punido pela Justiça de São Paulo com uma pena de 3 anos e 4 meses de detenção, convertida em prestação de serviços à comunidade pelo mesmo período. O motoboy Erasmo Carlos da Costa Júnior, de 32 anos, que estava com a carteira de habilitação vencida quando atropelou o músico, foi condenado por homicídio culposo (sem intenção) pela juíza Márcia Mayuni Okoda Oshiro Bugan, da 25.ª Vara Criminal Central. A juíza reconheceu na sentença que a morte do guitarrista do grupo Titãs foi causada por imprudência do motoqueiro. O motoboy - que foi procurado pela polícia durante mais de um ano - foi condenado com base no Código de Trânsito Brasileiro (Lei 9.503/97). A pena por ter causado a morte de Fromer foi fixada no mínimo (2 anos), já que ele confessou o crime. A agravante considerada pela juíza - que elevou a pena para 3 anos e 4 meses - foi estar com o exame médico da carteira de habilitação vencido.Fromer foi atingido pelo motoqueiro quando atravessava a rua, na esquina da Rua Portugal com a Avenida Europa, no Jardim Europa, zona sul - ele fazia cooper e não portava documentos. Com o impacto, o titã foi atingido no peito pelo capacete do motoboy, caiu de costas e bateu a cabeça no asfalto. O músico permaneceu internado no Hospital das Clínicas por dois dias, mas não resistiu aos graves ferimentos no cérebro. O tipo de prestação de serviço que será feito pelo motoboy será definido pelo juiz das Execuções Criminais. Procurado pela Agência Estado, o acusado não foi localizado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.