Motorista atropela ciclista e leva morto até o pedágio

"Tenho que pagar pelos dois?", perguntou irritado ao chegar ao guichê

Ariel Palacios, correspondente de Buenos Aires,

20 Fevereiro 2013 | 20h04

BUENOS AIRES – “O senhor tem um corpo de um morto sobre o capô do carro. Não está vendo?”. Com estas palavras a funcionária do pedágio da rodovia Pan-Americana, na Argentina, indicou ao motorista Pablo Daniel Garcia sobre a existência irregular de uma pessoa falecida que estava sobre o para-brisa do lado esquerdo do automóvel.

“Isso quer dizer que tenho que pagar pedágio pelos dois?”, retrucou irritado o motorista que foi imediatamente detido pelos policiais presentes na área. A vítima estava com as pernas sobre o capô.

O motorista havia saído da área do município de Pilar e seguia a Tortuguitas, ambas cidades na província de Buenos Aires. Ele atropelou o ciclista Reinaldo Rodas, de 53 anos, e não parou, seguindo por 17 quilômetros com o corpo sobre o capô.

Pablo García foi temporariamente liberado pelo juiz. O magistrado alegou que, embora seja homicídio, o caso é de culpa, não de dolo. O motorista é filho de um dos mais importantes radialistas do país, Eduardo Aliverti, alinhado com o governo da presidente Cristina Kirchner.

García, que é jornalista, como o pai, tinha 1,45 gramas de álcool em seu sangue, segundo o exame realizado pela polícia no momento em que foi detido.“Para mim, ele é um assassino”, afirmou um familiar de Rodas, um homem pobre que morava em um casebre e ia de bicicleta para o trabalho.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.