Motorista condenado a 14 anos por atropelamento e morte

Pela primeira vez, na Bahia, a Justiça condenou um motorista por homicídio doloso, devido a um acidente que provocou a morte de duas pessoas e ferimentos graves em outra. Manoel Leontino Monteiro Neto que, num primeiro julgamento, recebeu uma pena de quatro anos de prisão, teve sua punição ampliada para 14 anos em regime fechado, devido a um recurso do Ministério Público julgado pelo Tribunal de Justiça da Bahia. O acidente provocado por Monteiro Neto, que não possuía carteira de motorista, ocorreu em março de 1998. Ele dirigia, embriagado, em alta velocidade na zona urbana da cidade de Jequié, com a namorada Carla Santana no banco do carona. Ele perdeu o controle do veículo ao tentar uma ultrapassagem em local proibido e atropelou os policiais Genésio José de Moura e Marcone Ferreira que, ironicamente, realizavam uma blitz para coibir irregularidades no trânsito. Genésio morreu em conseqüência dos ferimentos e Marcone sofreu graves lesões que o impedem até hoje de atuar em missões externas. A namorada de Monteiro Neto, Carla, não usava cinto de segurança e também morreu no acidente. Segundo o promotor Luiz Cláudio Cunha Nogueira que sustentou a tese de homicídio doloso qualificado, a decisão do Conselho de Sentença do Tribunal de Justiça da Bahia satisfez os moradores de Jequié, revoltados com o acidente.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.