Motorista de ônibus atira em empresário na Paulista

Um motorista de ônibus disparou um tiro num empresário no interior do coletivo que dirigia, por causa de uma discussão de trânsito, na noite de ontem. O ônibus estava superlotado, com mais de 50 passageiros, e houve correria.Passageiros protestaram contra o fato de o motorista andar armado. O atirador fugiu e a vítima, socorrida no PS do Hospital das Clínicas, está internada e não corre risco de vida. O motorista acusado de ter dado o tiro é João Batista Mesquita Oliveira, de 55 anos, e a vítima é o empresário Maurício de Souza Bello, de 42. Às 23 horas, Oliveira dirigia o ônibus da linha Lapa/Ipiranga, da Auto-Viação Taboão Ltda., quando, na Avenida Paulista, fechou o automóvel Logus dirigido por Bello.O ônibus parou no ponto em frente ao Conjunto Nacional, para pegar passageiros. Foi nesse momento que Bello entrou o ônibus e repreendeu Oliveira verbalmente.Um passageiro, que viu a cena e prefere não ser identificado, disse que a reação de Oliveira foi sacar de uma arma, que seria um revólver calibre 38. Bello abriu os braços e disse para o motorista "agora você atira, me mata".O motorista atirou. A bala acertou o queixo do empresário, saiu e ricocheteou, atingindo a lataria do ônibus, acima da porta.Bello caiu no chão, dentro do ônibus, e o motorista fugiu. Começou a correria dos passageiros, que temiam balas perdidas. Duas mulheres passaram mal. "Eu na hora me vi morta, comecei a passar mal", disse uma delas, sem se identificar."Não pode andar armado, precisamos desarmar a população, a juventude", protestou a mulher. "Além dele (Bello), podia ser atingido qualquer passageiro. Pra que isso?"A São Paulo Transporte (SPTrans), que gerencia o transporte coletivo na capital, informou que motoristas não podem andar armados. Segundo a SPTrans, casos como este, em que o motorista é autor do crime, são raros. O mais comum é o motorista ser a vítima, em discussões com passageiros ou em ataques de ladrões.A reportagem tentou por duas vezes falar com o gerente da Auto-Viação Taboão, José Clarindo, mas não o encontrou na empresa.A delegada Nair de Castro Andrade, do 78º DP, informou que um inquérito foi instaurado e Oliveira vai responder por tentativa de homicídio: "A gente imagina que nas próximas horas vai estar com ele (o motorista) preso?.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.