Motorista de van escolar acidentada no Rio será solto

TJ-RJ concedeu liberdade provisória; ele responderá por homicídio culposo e lesão corporal

Solange Spigliatti, da Central de Notícias,

02 Julho 2009 | 12h51

O motorista da van que se acidentou na tarde desta quarta-feira, 1, na Linha Vermelha, no Rio, matando quatro crianças e deixando outras cinco feridas, será solto ainda nesta quinta-feira, 2, segundo informações do Tribunal de Justiça do Rio (TJ-RJ). Carlos Alberto Rodrigues de Souza, de 57 anos, detido na 37ª Delegacia de Polícia, na Ilha do Governador, teve a liberdade provisória concedida.

 

Segundo o TJ-RJ, um oficial de justiça seguiu para a delegacia por volta das 11 horas levando o alvará de soltura. Carlos foi autuado por quatro homicídios culposo (quando não há a intenção de matar) e seis lesões corporais.

 

Na decisão, o juiz considerou que "muito embora gravíssimas as consequências das condutas imputadas ao preso, são ausentes as circunstâncias que justificam a prisão preventiva e deve ser mantida a regra geral, qual seja: a preservação do direito de liberdade do indivíduo". O magistrado também levou em consideração que o réu é primário e possui domicílio fixo.

 

De acordo com a delegada Leila Goular, do 37ºDP, o advogado do motorista entrou na Justiça com um pedido de liberdade condicional já que seu cliente não teria o dinheiro para pagar a fiança, estipulada em R$ 6 mil. Ele deverá responder ao processo em liberdade.

 

O acidente

 

O choque ocorreu por volta das 14 horas, enquanto um guincho da prefeitura auxiliava um veículo quebrado no acostamento, próximo à sede da Infraero, na Ilha do Governador. 

 

Segundo a delegada do 37ºDP, a van escolar não tinha autorização para levar alunos - não tinha a placa específica, nem a faixa amarela que identifica esse tipo de transporte, ou as portas nas duas laterais, como exige a legislação. Além disso, era emplacado em Cabo Frio, na Região dos Lagos. "Ao que tudo indica, o motorista estava desatento, não viu o reboque parado. Não há nenhuma marca de frenagem no asfalto", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.