André Ávila/Agência RBS
André Ávila/Agência RBS

Motorista do Uber é espancado por taxistas em Porto Alegre

Passageiros pediram para carro parar em estacionamento de supermercado; homens que agrediram têm antecedentes criminais

Luciano Nagel, Especial para o Estado

27 Novembro 2015 | 14h52

PORTO ALEGRE - Um motorista do Uber foi espancado com vários socos por taxistas na tarde desta quinta-feira, 26, em Porto Alegre. Bráulio Pelegrini Escobar, de 40 anos, recebeu o chamado pelo aplicativo e foi buscar dois passageiros. Após um longo percurso pela capital gaúcha, a dupla pediu para o motorista parar no estacionamento de um supermercado, na zona leste da cidade. Ao chegar ao local, o motorista do Uber foi cercado por vários taxistas que o agrediram com socos e destruíram parcialmente o seu veículo. 

A Polícia Civil de Porto Alegre confirmou na manhã desta sexta-feira, 27, que dois dos taxistas que agrediram o motorista do Uber têm antecedentes criminais, como ameaça e lesão corporal. Cauê Cavalheiro Varella e Alexandre dos Santos Schesser foram encaminhados para a 1ª Delegacia de Homicídios de Proteção à Pessoa (DHPP) e podem ser indiciados por tentativa de homicídio.

As cenas de selvageria foram gravadas por populares que estavam próximos à vítima. O condutor foi socorrido e levado ao Hospital de Pronto Socorro com sérios ferimentos na cabeça e no rosto.

O delegado responsável pela investigação, Rodrigo Polhmann Garcia, vai pedir as imagens das câmeras de segurança do estacionamento do supermercado para tentar identificar outras pessoas que participaram da agressão.

"Os seguranças do Carrefour também serão ouvidos pela polícia", disse em entrevista ao Estado.

A agressão aconteceu um dia depois de a Câmara dos Vereadores de Porto Alegre proibir o funcionamento do Uber na capital. O serviço começou a operar na cidade gaúcha na semana passada.

EPTC e Uber. Em nota, a Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC) advertiu que "os taxistas que agrediram motorista do Uber, quando identificados pela polícia, serão suspensos preventivamente", ressaltou  que não pode banir envolvidos na agressão antes da conclusão do caso com a polícia e que, "por isso, a suspensão preventiva".

Já a empresa Uber se solidarizou com o motorista, vítima de agressão na capital e que está oferecendo todo o apoio à vítima e que todas as medidas legais cabíveis serão tomadas.

Mais conteúdo sobre:
PORTO ALEGREUberCarrefour

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.