Motorista foge com carro-forte e R$ 1,25 milhão

O motorista de um carro-forte surpreendeu hoje os colegas de trabalho ao fugir com R$ 1,25 milhão que transportava. Ele e outros três vigilantes armados deixavam dinheiro num banco no Méier, zona norte do Rio, quando os colegas desceram do carro com malotes. Assim que ficou sozinho no veículo, o motorista, cuja identidade não foi revelada pela polícia, acelerou e fugiu com o dinheiro que restava no blindado da empresa Transbank. Encontrado pouco depois por policiais militares, o motorista disse que foi obrigado a entregar o dinheiro a bandidos que ameaçavam sua família em casa desde a noite anterior. A polícia, no entanto, desconfia da versão, que tem contradições.Morador de Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense, o motorista disse que teve o seu carro, um Vectra, interceptado por seis automóveis Santana na Via Dutra, no início da noite de ontem, quando voltava para casa do trabalho. O grande número de veículos foi o primeiro ponto da história que chamou a atenção do delegado Márcio Franco de Mendonça, titular da Delegacia de Roubos e Furtos, onde o caso foi registrado. Segundo o motorista, nove bandidos saltaram dos carros armados com pistolas e usando toucas ninjas. Três deles teriam entrado no seu carro, que foi seguido pelos seis veículos até um local onde os bandidos assumiram a direção.Dois bandidos que continuaram no carro do motorista teriam ido até a casa dele, onde passaram a noite fazendo reféns a mulher e uma filha de 14 anos. No dia seguinte, os bandidos teriam orientado o motorista a ir ao trabalho sem contar nada a ninguém e fugir com o carro forte para entregar o dinheiro aos bandidos que o esperariam num local determinado.Foi o que ele fez na segunda parada de sua rota, por volta das 8h50. Depois de pegar R$ 50 mil numa loja de material de construção, o blindado foi até o banco Itaú da Rua Carolina Méier. Assim que os três vigilantes desceram do carro, o motorista partiu. Chamou a atenção dos policiais o fato de o motorista ter sido encontrado, a cerca de um quilômetro do banco, imobilizado dentro do carro forte por uma espécie de algema de plástico, constituída por um lacre, atrelada ao volante. No local, o Jardim do Méier, ele disse ter entregado o dinheiro aos bandidos, que estavam novamente em seis carros Santana. Sem conseguir abrir a porta, os policiais militares passaram uma lâmina para ele por um orifício da porta, com o qual ele teria cortado a amarra plástica. No entanto, ele desvencilhou-se do artefato sozinho, já que chegou intacto na delegacia. O mesmo aconteceu com os lacres da mulher e da filha, que teriam sido abandonadas em casa amarradas sem a vigilância dos bandidos e conseguiram se soltar sozinhas.Até o fim da tarde de hoje, o motorista e a família ainda prestavam depoimento na delegacia, assim como os outros vigilantes, que não quiseram dar entrevistas dizendo-se amedrontados. "Estamos averiguando, fazendo diligências e ouvindo testemunhas porque alguns fatos são estranhos. Não vou dizer que são suspeitos, porque é muito forte, mas não descarto que houve conivência de alguém", disse o delegado. A polícia fez um cerco no local de onde dinheiro foi levado, mas não encontrou os supostos criminosos. Os policiais também estranharam o fato de o motorista ter pedido para mudar de rota hoje. Ele estava escalado para outro serviço. Segundo o delegado, outra suspeita é a participação de funcionários da empresa. O dinheiro não foi posto no cofre interno do veículo, que tem um temporizador, equipamento que impede a abertura durante determinado tempo, que não foi acionado. "A chave ficou dentro do carro. Um funcionário da empresa disse que esqueceu de acionar o botão do temporizador", disse Mendonça. Segundo o presidente do Sindicato dos Empregados em Empresas de Transporte de Valores (Sindiforte), Heraldi Santos, o seqüestro de parentes de envolvidos no transporte de valores, um crime mais comum em São Paulo, cresce no Rio. Ele afirmou que este é o terceiro registro semelhante nos últimos três meses. O último teria ocorrido na semana passada. O delegado informou que vai se reunir na próxima quinta-feira com representantes de empresas transportadoras de valores para sugerir mudanças nos procedimentos de segurança dos blindados.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.