Motoristas burlam restrição

Em Moema, desinformação levou a descumprimento

Renato Machado, O Estadao de S.Paulo

23 de junho de 2009 | 00h00

O primeiro dia de estacionamento Zona Azul na região de Moema, na zona sul de São Paulo, foi marcado por desinformação e pelo descumprimento às novas regras. O "hábito" foi apontado pelos motoristas como o principal motivo para não notarem as mudanças nas placas e estacionarem sem o cartão ao longo das cinco vias onde a regra passou a vigorar."Não deveriam só mudar as placas, porque as pessoas estão acostumadas e nem olham para elas. Poderiam colocar faixas informando, como fizeram nos Jardins", disse o vendedor Sérgio Lima. Ele conta que faz entregas de produtos há oito anos na Rua Jerusalém e não notou que parou em uma vaga, não somente de Zona Azul, mas destinada a caminhões. A Zona Azul foi instalada na Rua Afonso Brás e em quatro vias que a cortam. São 110 vagas para automóveis, 13 para caminhões e duas para portadores de deficiência. Em geral, motoristas e comerciantes aprovaram a regra em uma região onde era "impossível" parar. "Era o cúmulo ver morador de prédio tirando vaga dos outros, sendo que tem garagem", disse a autônoma Fabiana Silva.Segundo agentes da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), nenhum automóvel foi multado ontem por estar sem o cartão, mas o período de adaptação deve terminar amanhã. "A única infração que autuamos foi ocupar vagas para deficientes. Tem um quadrado azul no chão indicando, então quem para é por má-fé", disse um agente.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.