Motoristas de Campinas decidem entrar em greve

Motoristas e cobradores de ônibus de Campinas, 95 quilômetros a noroeste de São Paulo, decidiram em assembléia, no fim da tarde desta terça-feira, entrar em greve a partir da zero hora de terça-feira da próxima semana. Eles rejeitaram a proposta das empresas de ônibus da cidade, que ofereceram reajuste de 8% sobre os salários. A categoria pede reajuste de 32%.A Associação de Empresas de Transportes Urbanos de Campinas (Transurc), que representa as seis permissionárias da cidade, informou que a contraproposta será mantida. Segundo o diretor de Comunicação da Transurc, Paulo Barddal, as empresas ?continuam abertas a negociações?, mas não será possível aumentar o índice de reajuste por ?problemas de caixa?.Um dos diretores do Sindicato dos Transportes de Campinas, Nelson Paz de Lima, informou que os motoristas vão insistir nos 32% e somente desistirão da greve se houver uma nova proposta da Transurc. As seis empresas de transporte urbano de Campinas empregam 4,2 mil funcionários. O piso dos motoristas é de R$ 972, e o dos cobradores, R$ 315. Por mês, 9 milhões de pessoas utilizam ônibus na cidade, média diária de 300 mil usuários.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.