Motoristas de ônibus continuam prejudicando centro de SP

Pelo menos 100 ônibus da empresa de ônibus Expresso Paulistano, estão parados em fila única nas proximidades da Câmara Municipal de São Paulo. Às 9 horas haverá uma reunião entre o secretário dos Transportes, Jilmar Tatto, e o Sindicato dos Motoristas, para tentar resolver a paralisação de companhias de ônibus em São Paulo. Somente o Expresso Paulistano está deixando de transportar 200 mil passageiros na zona Leste da cidade. Jilmar Tatto disse que não há sentido em continuar com a paralisação, já que a Justiça tornou indisponíveis o patrimônio de proprietários da Expresso Paulistano, que não pagou salários aos funcionários. "Para trabalhar em São Paulo tem de ter competência e qualidade. Quem não tem isto, tem de ser eliminado do setor de transportes da cidade", disse Tatto.Os motoristas querem receber seus salários e pressionam a Prefeitura a dar um reajuste na tarifa de transporte em São Paulo. Os motoristas praticamente paralisaram o trânsito no centro durante todo o dia de ontem, com amplos reflexos em toda a cidade, principalmente com as fortes chuvas que ocorreram no final do dia. Os motoristas e cobradores estão sendo criticados pela população, cujo o direito constitucional de ir e vir não está sendo respeitado, salientou um estudante, Antonio Carlos Ribeiro, que perdeu a aula ontem por conta da confusão no trânsito. Foram estacionados ontem 328 ônibus no centro da cidade, com seus pneus esvaziados, causando um grande caos no trânsito da cidade.ChuvasAs chuvas continuam agora cedo e a situação no trânsito é díficil. O Metrô está operando em baixa velocidade também por causa das chuvas, por medida de segurança. Há alguns pontos de alagamento em São Paulo, mas todos transitáveis. As Marginais do Pinheiros e do Tietê estão com o seu tráfego operando normalmente.

Agencia Estado,

26 de novembro de 2002 | 07h49

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.