Motoristas de ônibus envolvidos em acidentes serão punidos

O Diário Oficial do Município de São Paulo publicou nesta sexta-feira, 15, duas portarias da Secretaria Municipal de Transportes que prevêem ações mais duras para motoristas de ônibus ou microônibus que se envolverem em acidentes de trânsito com vítimas (mortos ou feridos).A partir de agora, os motoristas nessa situação estarão suspensos e não poderão mais prestar serviços no sistema municipal de transporte coletivo, antes de apresentar exame psicotécnico, atestados atualizados de sanidade física e mental e antes de passar por novo curso de direção defensiva.Outra das portarias vai criar o ´Condubus´, certificado profissional para os motoristas de ônibus nos moldes do Condutax, exigido dos taxistas.O certificado será fixado nos ônibus, depois de expedido pela São Paulo Transportes (SPTrans). A empresa fará o recadastramento de todos os motoristas e cobradores profissionais que atual na Cidade, para atualização de dados. O documento trará o nome do motorista, identificação cadastral, foto e prazo de validade.Entre outras medidas para aumentar a segurança, já anunciadas, estão a aquisição de um software que permitirá o monitoramento de 100% dos tacógrafos instalados na frota paulistana. O tacógrafo é um equipamento que registra a velocidade e distância percorrida em determinado trecho, e atualmente seu acompanhamento é feito apenas por amostragem, em 5% dos veículos. A Prefeitura também adotará novos radares móveis, do tipo ´pistola´, que serão operados pelos fiscais da SPTrans para verificar a velocidade dos ônibus. FiscalizaçãoA São Paulo Transportes (SPTrans) conta com 400 fiscais decoletivos. Há ainda mais 400 funcionários de apoio. Elessão responsáveis por 15 mil veículos.Os fiscais podem multar os motoristas, parar veículos para averiguação e até apreender coletivos que não estejamcumprindo a regulamentação.As punições para motoristas que não respeitam o Resam (Regulamento de Sanções e Multas) da Secretaria Municipal de Transportes vão de multas até a suspensão da licença para conduzir coletivos. A SPTrans está priorizando a fiscalização das condições de segurança dos veículos.AcidentesEm uma semana, ocorreram pelo menos cinco acidentes graves envolvendo ônibus e lotações em São Paulo. Duas pessoas morreram e cerca de 60 ficaram feridas. Na quinta-feira, 14, a imprudência de motoristas de ônibus da Capital fez mais uma vítima em São Paulo. Gilda Gomes Teixeira, 43 anos, era passageira do microônibus (linha Metrô Saúde - Vila Moraes) que colidiu com um ônibus na Avenida do Cursino, altura do número 5.000, na Vila Moraes, zona sul da cidade, às 12h50. Cerca de 20 pessoas ficaram feridas. Segundo a polícia, o ônibus trafegava no sentido bairro e fez uma curva perigosa na contramão. Acabou perdendo o controle e bateu no microônibus, que vinha na direção contrária. A van foi arrastada por alguns metros, até parar num poste; o ônibus continuou desgovernado até bater no muro do Parque do Estado.Colaborou Thalita Pires

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.