Motoristas decidem na terça-feira se entram em greve em SP

Os motoristas de ônibus de São Paulo fazem assembléia na madrugada desta segunda-feira, nas garagens das empresas, para decidir se entram em greve terça-feira. Desta vez, a justificativa do Sindicato dos Trabalhadores nas Empresas é a ameaça de 21 das 52 empresas não darem na terça-feira os tíquetes-refeição aos funcionários. O Sindicato prevê que as assembléias devem atrasar em 30 minutos a 45 minutos o início de operação dos ônibus.Normalmente, eles começam a rodar a partir das 3 horas. Caso seja decretada a greve, o Sindicato diz que ela começará às 3 horas de terça, nas empresas que não derem os tíquetes, e vai durar até que eles sejam recebidos pelos motoristas.O presidente do Sindicato, Edivaldo Santiago, informou que 31 empresas se comprometeram a dar os tíquetes aos funcionários, mesmo que isso seja feito em dinheiro, no valor de R$ 183. Os motoristas estão em campanha salarial e também reivindicam reposição de 9,26% nos salários. O Sindicato das Empresas (Transurb) publica nesta segunda-feira aviso à população anunciando a previsão de greve para terça. O Transurb diz que o setor de transporte passa por uma crise, com queda de passageiros desde 1997, quando eram transportados 134 milhões de pessoas por mês, em média. Em 2002 são 86 milhões. Segundo o Transurb, o setor (que arrecada R$ 112 milhões por mês) sofre déficit de R$ 18 milhões por mês.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.