Motoristas: Justiça mantém suspensa eleição no sindicato

Em julgamento final, a 8ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça rejeitou hoje, por unanimidade, recurso do Sindicato dos Motoristas e Cobradores de Ônibus de São Paulo, que queria derrubar decisão que suspendeu as eleições para renovação da diretoria da entidade. As eleições estão suspensas desde o dia 22 de agosto, em razão de tutela antecipada concedida pelo juiz da 31ª Vara Cível, Luiz Fernando Cirillo, numa ação proposta pela oposição. O sindicato deverá, agora, instaurar novo processo eleitoral e, em caso de desobediência, pagará multa diária de R$ 100 mil.O pleito seria realizado no mês passado, segundo regras estabelecidas por um estatuto elaborado em abril pela atual diretoria e que sequer foi registrado no Ministério do Trabalho. Para a Justiça, esse estatuto "impede a realização de eleições idôneas", bem como "virtualmente impossível a oposição controlar a verdade eleitoral e/ou ganhar as eleições". O novo processo eleitoral deverá ser regido pelo antigo estatuto que data de dezembro de 1993. Em maio, o sindicato foi alvo de acusações de corrupção, que provocaram a saída do presidente Edivaldo Santiago, substituído por José Hilton e a prisão dele e de outros diretores.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.