Motoristas mantêm greve em Brasília

Depois de quatro horas de assembléia e negociações com o governo local, os rodoviários de Brasília decidiram nesta quinta-feira à noite manter a greve por tempo indeterminado.Na reunião entre empresários, rodoviários e o Governo do Distrito Federal, ocorrida à tarde, foi apresentada a proposta de prorrogação do acordo coletivo do trabalho, vencido no final de abril, com todas as vantagens: cesta básica, tíquete-alimentação, seis horas corridas de trabalho e pagamento de gratificação de 5% para os empregados com mais de cinco anos de contrato.Além disso, o governo se compromete em montar imediatamente uma comissão de combate à pirataria para retirar os ônibus piratas em 60 dias.Segundo os donos das empresas de transporte coletivo, existem cerca de 4 mil veículos piratas rodando na cidade, o que representa um prejuízo diário de R$ 180 mil.A categoria reivindica a recuperação de perdas salariais (6,8%), aumento real de 10%, manutenção do acordo coletivo que prevê vale-alimentação no valor de R$ 147,00 por mês, cesta básica de R$ 160,00, e redução da jornada diária de trabalho para seis horas corridas, entre outros itens da pauta.Nos quatro dias de greve, os rodoviários fizeram da depredação a principal forma de protesto. Subiu nesta quinta para 98 o número de ocorrências policiais relacionadas com a greve dos rodoviários no Distrito Federal desde segunda-feira, quando começou o movimento.A Secretaria de Segurança Pública divulgou que até o meio-dia desta quinta haviam sido registrados mais sete casos de violência, apesar do patrulhamento das ruas e estradas por 3 mil policiais.A maior parte dos casos refere-se a arremessos de esferas de aço, bolas de gude, pedras e pedaços de madeira contra o vidro de ônibus em circulação. Na terça-feira três pessoas foram feridas por estilhaços de vidro, o que se repetiu com outro passageiro nesta quarta-feira, quando também um ônibus foi incendiado.Temendo novos tumultos, a secretaria deslocou 1.500 policiais, incluindo a tropa de cavalaria, para as imediações da rodoviária, diante da Esplanada dos Ministérios, onde cerca de 1.200 rodoviários aguardavam o resultado da reunião entre sindicalistas, empresários e o governador Joaquim Roriz (PMDB).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.