Motoristas parados na Anchieta são assaltados

Motoristas que pretendiam descer de São Paulo para o litoral e ficaram presos no congestionamento da Via Anchieta, em conseqüência da manifestação de cerca de 400 pessoas em Cubatão, na Baixada Santista, telefonaram, por celular, para a Rádio Eldorado, por volta das 23 horas desta sexta-feira, afirmando que viram passageiros de outros veículos sendo vítimas de assalto.A revolta era geral porque nenhum policial rodoviário foi visto nas proximidades de onde estavam ocorrendo os roubos.A assessoria de imprensa da Ecovias, a empresa concessionária da rodovia, informou que a Polícia Rodoviária estava no local desde as 20 horas, mas o congestionamento já alcançava 20 quilômetros. Segundo a assessoria, a Tropa de Choque da Polícia Militar do Estado estava a caminho do local desde as 22 horas, mas ficou presa no congestionamento.Em caráter excepcional, estava sendo feito um comboio com a tropa de choque, que já havia chegado à Baixada Santista pela pista nova da Imigrantes. A tropa iria subir pela Anchieta, que estava bloqueada pela manifestação.A Ecovias liberou a descida da serra por duas pistas da Imigrantes e também conseguiu liberar a pista sul da Anchieta. A pista norte continuavafechada.Policiais e representantes da Ecovias estavam negociando com manifestantes na tentativa de liberar também essa via. Diversos motoristas estavam atravessando o canteiro entre as pistas sul e norte e retornando à capital.O congestionamento já chegava bem próximo da praça do pedágio, ainda no alto da serra. E o trânsito na descida da Imigrantes já apresentava certa lentidão. Um dos ouvintes que ligou para a rádio disse que um vendedor de doces lhe mostrou um panfleto convocando os moradores do bairro Cota 200 para a manifestação, marcando inclusive horário para a interdição.Segundo ele, "se a polícia já sabia que o fato ia ocorrer, tinha a obrigação de tomar providências, no mínimo para garantir a segurança dos viajantes".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.