Motoristas podem optar por outra rodovia para seguir para o PR

Alternativa é a Rodovia SP-250, que começa em Vargem Grande, na região metropolitana de São Paulo

Solange Spigliatti, do estadao.com.br,

10 de fevereiro de 2010 | 11h25

Os motoristas que pretendem viajar para o Paraná pela Rodovia Régis Bittencourt vão encontrar um trecho parcialmente interditado na região de Barra do Turvo, quase na divisa com o Estado, por conta de um deslizamento de terra. Segundo a concessionária Autopistas, ainda não há previsão para a liberação da via.

 

Para evitar o grande congestionamento, que por volta das 10h30 de hoje estava em quase 40 quilômetros, no sentido Paraná e cerca de 20 quilômetros no sentido São Paulo, os motoristas podem optar por utilizar outra rodovia, segundo o Departamento de Estradas e Rodagem (DER).

 

A alternativa para quem segue da capital paulista para Curitiba é a utilização da Rodovia SP-250, que começa em Vargem Grande, na região metropolitana de São Paulo. A estrada segue até a cidade de Adrianópolis, já no Paraná, onde é possível pegar o acesso para a BR-476, que segue até a Curitiba.

 

Para acessar a SP-250, que tem pista simples em todo seu trajeto, existem duas opções. Pela Rodovia Raposo Tavares, indo até o município de Itapetininga, acessando depois a SP-127 no sentido de Capão Bonito, e acessando a SP-250.

 

Outra opção é usar a Rodovia Castello Branco, que tem fluxo melhor de veículos em sua pista dupla. O motorista deve seguir até o km 130 da rodovia e acessar o sentido Itapetininga, e depois repetindo o roteiro anterior.

 

Erosão

 

Segundo o DER, os motoristas devem trafegar com cuidado pela SP-250, por conta de dois trechos parcialmente interditados devido à erosão, causada pelas chuvas do fim do mês de janeiro.

Há buracos interditando parcialmente a rodovia em Apiaí e em Ribeira, próximo à Adrianópolis, onde apenas veículos de passeio estão trafegando pelo local.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.