Motoristas prometem nova paralisação nesta 4ªF

A cidade deve viver mais um dia de trânsitocomplicado e transporte precário nesta quarta-feira. Os motoristas e cobradores de ônibusprometem uma paralisação geral até às 7 horas.O motivo foi a falta de acordo entre osindicato e a Prefeitura em relação às reivindicações da categoria.Segundo o presidente do Sindicato dos Motoristas e Cobradores de São Paulo, Edivaldo Santiago, a partir da meia-noite desta terça-feira os sindicalistas percorreriam todas as garagenspara explicar os motivos da mobilização.Segundo ele, durante a madrugada e o início da manhã desta quarta estão marcadas reuniõespara discussão dos problemas enfrentados pelos profissionais, como a ameaça denão-pagamento do 13º salário, e o fato de a maioria das empresas não efetuar osdepósitos do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) há cerca de quatroanos.Caso não haja solução para o impasse, o sindicato promete uma greve geral na próxima semana. "Se não houver nenhuma definição sobre o 13º até sexta-feira, vamos fazer uma assembléia na segunda-feira", disse Santiago. "É possível uma greve", acrescentou.Na assembléia realizada no início da noite desta terça em frente à Câmara Municipal, Santiago fezduras críticas ao governo municipal. Segundo ele, a Prefeitura pode usar os problemasocorridos nos últimos dias para justificar o aumento da tarifa."Se até sábado eles resolverem elevar a tarifa para R$ 1,70, vão dizer que é por causa o movimento dos trabalhadores, pois não há justificativa política para qualquer tipo de aumento da tarifa", disse Santiago.Ele também provocou o novo secretário municipal dos Tranportes, Jilmar Tatto. "A política continua a mesma, só trocou o nome do secretário."Na assembléia, também ficou decidido que os ônibus estacionados nas ruas do Centroficariam parados por tempo indeterminado. "Sem um mandado (mandado de segurança) da Justiça, nenhum ônibus sai daqui", completou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.