Motoristas são vítimas de arrastão no Anhangabaú

Grupo de adolescentes é flagrado quebrando vidros de carros parados no trânsito na saída da Avenida 23 de Maio, na última sexta-feira

José Dacauaziliquá, O Estadao de S.Paulo

09 de abril de 2009 | 00h00

Um grupo formado por pelo menos dez crianças e adolescentes foi flagrado ao fazer um arrastão em motoristas parados na Avenida 23 de Maio, na entrada do túnel no Vale do Anhangabaú (sentido sul/norte), centro de São Paulo, na sexta-feira passada. Imagens mostram assaltantes quebrando vidro de carros à procura de bolsas, carteiras e celulares. Mulheres sozinhas ao volante são os alvos preferidos dos bandidos.De acordo com o porta-voz do Comando de Policiamento da Capital (CPC) da Polícia Militar, tenente Pedro Luís de Souza Lopes, quatro pessoas foram detidas e levadas para um distrito da região, mas nenhuma portava objetos roubados das vítimas. As ações dos criminosos foram flagradas em imagens feitas do alto de um prédio por uma equipe da TV Câmara. Os ataques ocorreram por volta das 19 horas e duravam cerca de dez minutos. As imagens mostram o grupo no canteiro central. Por causa do excesso de veículos, o fluxo para e o bando começa a agir. Eles circulam próximos dos carros da faixa da esquerda à procura de um motorista distraído. Olham pelas janelas para encontrar objetos de valor. Com pedra ou barra de metal, um bandido estoura o vidro. O grupo aproveita também para roubar motoristas que circulam com vidros abertos. Em um dos ataques, um dos assaltantes se aproxima do veículo parado e põe um dos braços para dentro. Cinco comparsas se aproximam e tentam pegar um objeto. O motorista acelera e vai embora. Dois bandidos atravessam a pista e fogem.Onze minutos depois, duas motos das Rondas Ostensivas com Apoio de Motocicletas (Rocam) chegam ao local. Dois suspeitos são detidos. Numa passarela, mais dois integrantes são pegos. Segundo Souza Lopes, o policiamento foi reforçado e ontem no local havia uma viatura.O porta-voz da PM contou que as vítimas não registraram boletins de ocorrência. "Durante e depois da ação, sete pessoas, entre vítimas e testemunhas, ligaram para o 190, mas nenhuma compareceu à delegacia para fazer o reconhecimento dos suspeitos", disse. Três deles foram liberados. Um permaneceu preso porque era foragido.Souza Lopes informou que esse tipo crime caiu 28% na região entre 2005 e 2008 por causa da Rocam. Além disso, 102 câmeras de monitoramento foram instaladas. "Por serem recentes, os equipamentos estão sendo avaliados."A Secretaria Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social informou que o projeto São Paulo Protege tem atuado no local e que agentes tentam convencer moradores de rua a ir para albergues. Os adolescentes, no entanto, correm e fogem dos agentes da secretaria. FRASEPedro L. de Souza Lopes Porta-voz do Comando de Policiamento da Capital "Sete pessoas ligaram para o 190, mas nenhuma foi reconhecer os suspeitos"

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.