Movimento cresce e atrasos aumentam nos aeroportos

O movimento cresceu nos aeroportos do País com o aumento dos atrasos nos terminais de São Paulo, Brasília, Minas Gerais e de capitais do Nordeste. A Aeronáutica afirmou que as torres de controle do País funcionam normalmente nesta quarta-feira e o maior problema é o efeito cascata dos atrasos de terça-feira.De acordo com os painéis da Infraero no Aeroporto de Congonhas, na zona sul de São Paulo, desde às 6 horas até às 9 horas, 14 vôos tinham problemas: sete deles foram cancelados e outros sete estavam atrasados.De acordo com informações da Rádio Eldorado, no Aeroporto Internacional de São Paulo, em Guarulhos, os vôos com partidas para o Norte e o Nordeste tinham os maiores problemas.MG, PE e BrasíliaNo aeroporto de Confins, em Minhas Gerais, 12 vôos foram cancelados e quatro estavam atrasos. Em Recife, 21 pousos e decolagens estavam atrasados, até às 9h30.No Aeroporto Internacional Juscelino Kubitschek, em Brasília, às 9 horas, cerca de 500 pessoas aguardavam a definição das companhias aéreas para embarque.O painel de informações registrava 20 vôos programados para sair nesta manhã, mas até aquele horário apenas três embarques haviam sido confirmados.Comandante e ministroO comandante da Aeronáutica, brigadeiro Luiz Carlos Bueno, afirmou que os vôos estavam acumulados em Brasília por conta do problema nas transmissões do Cindacta-1, na capital federal, durante a terça-feira.O ministro da Defesa, Waldir Pires, afirmou que a situação nos aeroportos deve se normalizar nesta quarta-feira, depois da reunião com o presidente Lula na noite de terça-feira."O Presidente deu instruções no sentido de que se tenha condições semelhantes dos equipamentos de Brasília em São Paulo, como alternativa para que os atrasos não aconteçam mais", afirmou.PaneNa terça-feira, uma pane nos equipamentos de rádio que fazem a comunicação entre o Cindacta-1, de Brasília, e os aviões monitorados por esse setor provocou o maior apagão no tráfego aéreo do País, obrigando a suspensão de todos os vôos controlados por Brasília por mais de seis horas, afetando principalmente São Paulo e Minas Gerais. Depois das 19h30, todos os vôos de Brasília, São Paulo e Minas foram cancelados. Também houve atrasos no Rio e em Mato Grosso do Sul. No total, centenas de vôos sofreram atraso, mas os números não tinham sido tabulados. ?Nunca houve um dia como este na aviação civil brasileira?, disse o presidente da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), Milton Zuanazzi. De acordo com o comandante do Cindacta-1, coronel Carlos Aquino, ocorreram duas panes no sistema ao longo do dia.A primeira, parcial, entre 9 horas e 10 horas, quando apenas 13 das 20 freqüências de rádio que fazem as comunicações estavam funcionando. A segunda pane foi à tarde, entre 13 horas e 16 horas, quando, depois de três horas totalmente paralisadas, as operações foram retomadas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.