Movimento de pilotos da Varig pode atrasar vôos

Os pilotos da Varig iniciam hoje à noite a segunda fase do movimento liderado pela Associação de Pilotos da Varig (Apvar), em represália à política de recursos humanos da companhia aérea. Agora, os comandantes deixarão de agilizar procedimentos de vôo, o que poderá gerar atrasos nos aeroportos, reconheceu a entidade. A Apvar distribuiu um manual para os pilotos, orientando sobre como devem proceder na segunda etapa do movimento iniciado em fevereiro e que terá quatro fases. Na prática, não serão mais adotados procedimentos que aceleram a aproximação e pousos das aeronaves, além de outros adotados com o objetivo de encurtar e reduzir o tempo de vôo. Com isso, recuperava-se, no vôo, o tempo eventualmente perdido nos aeroportos.Desde a primeira fase do movimento, os pilotos deixaram de se antecipar e de agilizar espontaneamente procedimentos rotineiros nos aeroportos. Passaram, apenas, a aguardar que eles fossem realizados, informou a entidade. Conforme nota distribuída pela entidade, a Apvar reitera que, caso persista a divergência com a empresa, os pilotos entrarão em greve.A associação critica medidas adotadas pela empresa, como o enxugamento do quadro de funcionários e a alegada transferência de atividades para empresas coligadas, "com piores condições de remuneração e trabalho".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.