Movimento recua e mantém apenas 2 das 6 exigências

Líder grevista diz que paralisação é pacífica e ironiza apoio dado por governador a policiais em 2001, quando era da oposição

05 de fevereiro de 2012 | 11h44

O comando grevista admitiu, na tarde de ontem, ter diminuído a lista de exigências para que a paralisação dos PMs seja concluída e a Assembleia Legislativa, ocupada por manifestantes desde terça-feira, seja liberada. Segundo Marco Prisco, presidente da Associação de Policiais e Bombeiros e de seus Familiares do Estado da Bahia (Aspra), que deflagrou o movimento, a pauta de reivindicações, que inicialmente tinha seis itens, como incorporação de gratificações aos salários e regulamentação para pagamento de adicionais, foi reduzida a dois: anistia aos grevistas e pagamento da Gratificação por Atividade de Polícia.

“Veja que são pedidos simples: um é relativo ao retorno ao trabalho dos colegas e o outro é apenas cumprir o que já determina a lei”, diz Prisco. Ele acrescenta que também abriu mão de participar das negociações com o governo do Estado – a associação que dirige não é reconhecida pelo comando da PM. “O que falta ao governo é apenas dialogar com seriedade, porque já diminuímos bastante a pauta para colaborar com a sociedade, que está clamando por segurança.”

Quando informado de que o governador não negociaria a anistia e havia acusado os participantes do movimento de crimes, incluindo homicídios, Prisco disse concordar que a anistia não se aplique nesses casos, se comprovados. “Se o governador diz ter certeza de que há policiais praticando crimes pelo Estado, esses crimes devem ser investigados e punidos como determina a lei, sem dúvida”, afirmou. “Não é o nosso caso aqui e nenhuma prática criminosa partiu ou foi pedida pela gente. Estamos em um movimento pacífico na Assembleia e o pedido de anistia é apenas para os integrantes desse movimento.”

Com chinelo, bermuda, regata e colete à prova de balas, Prisco só elevou o tom ao comentar sobre os 12 mandados de prisão que, segundo o governador, já foram expedidos pela Justiça baiana contra líderes da greve. “Não sei nem se estou entre eles, mas sei que não cometi nenhum crime. A tropa já disse que não aceitará isso. Será que o governo do PT, que tanto critica a operação do Pinheirinho (reintegração de posse em São José dos Campos), vai querer fazer o mesmo aqui? Invadir um lugar onde há pais, mães, crianças, trabalhadores?”

Filiado ao PSDB há três meses, após passar os últimos anos no PSOL – antes foi do PT e do PC do B –, o ex-soldado da PM, afastado da corporação em 2002, depois de ajudar a liderar a maior greve da PM no Estado, em julho de 2001, também falou sobre política. Hoje, trata a manifestação de 11 anos atrás com certo sarcasmo, ao lembrar que o então deputado Jaques Wagner, junto a outras lideranças dos partidos da então oposição ao governo César Borges (à época no PFL de Antonio Carlos Magalhães), apoiaram, com recursos e equipamentos, a manifestação. “Será que não existe mais ninguém daquele PT hoje?”, ironiza.

Ele também admitiu a possibilidade de se candidatar a vereador neste ano, mas disse estar insatisfeito com o partido. “Troquei o PSOL pelo PSDB por divergências internas do partido, mas não sei se vou continuar filiado. Até o momento, ninguém do PSDB veio aqui apertar minha mão para me dizer ‘bom dia, você está bem?’. Não houve nenhuma declaração pública.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.