Movimento Sem-Teto interdita rodovias em São Paulo

Integrantes do Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto (MTST) interditaram na manhã desta quarta-feira, 25, as rodovias Raposo Tavares, Castello Branco e Régis Bittencourt - três importantes vias que ligam são Paulo ao interior do Estado. Durante o protesto na Raposo Tavares, três pessoas foram baleadas. Um motorista tentou furar a interdição e atirou para o chão, ferindo três manifestantes. Elas foram levadas ao Pronto Socorro de Cotia, na Grande São Paulo. O MTST reivindica uma política de desapropriação de terras urbanas e rurais ociosas e a paralisação das ações de despejo. O grupo pede também a negociação de um terreno para a inclusão de cerca de quatro mil famílias que estão na Ocupação João Cândido, em Itapecerica da Serra, além de outras famílias em outras localidades, como Osasco e Taboão da Serra. Por volta das 10 horas, a rodovia Raposo Tavares teve suas duas pistas, na altura do km 22, em Cotia, interditadas totalmente por cerca de 100 integrantes. Às 10h50, a pista sentido interior foi liberada e às 11h10 a outra pista também foi liberada ao tráfego de veículos, que se mantinha lento. A polícia rodoviária acompanhou os sem-teto até o acampamento onde eles estão alojados, em Itapecerica da Serra. Ninguém foi preso. No mesmo horário, a pista sentido São Paulo da Castello Branco foi bloqueada por cerca de 50 sem-teto. A polícia rodoviária foi acionada e as faixas de rolamento foram totalmente liberadas por volta das 11 horas. Já na rodovia Régis Bittencourt, que também teve suas duas pistas bloqueadas por volta das 11 horas, a pista sentido São Paulo permanecia, às 11h30, bloqueada pelos sem-teto, na altura do km 275. Um congestionamento de sete quilômetros permanecia nos dois sentidos, segundo a polícia rodoviária federal. Um grupo de integrantes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST), do Assentamento Sepé Tiaraju, na região de Ribeirão Preto, bloqueou um trecho da Rodovia Abrão Assed. Os sem-terra distribuem panfletos aos motoristas e protestam contra a falta de infra-estrutura no assentamento pelo Incra, principalmente por falta de água e energia. O bloqueio está sendo pacífico: os sem-terra bloqueiam o tráfego por dez minutos e depois o liberam por três minutos (e assim sucessivamente), com acompanhamento da Polícia Rodoviária. (Com Braz Henrique) Este texto foi ampliado às 12h27.

Agencia Estado,

25 Abril 2007 | 11h15

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.