Movimento Sem Teto volta a invadir edifícios

Numa operação que começou à zero hora deste sábado, integrantes de vários núcleos do "Movimento Sem Teto", da Capital, ocuparam prédios, galpões e terrenos, em diversos pontos da cidade.Comandados pela "União dos Movimentos de Moradia", líderes regionais munidos de aparelhos celulares coordenaram as ocupações de forma organizada e pacífica. A PM foi orientada a apenas acompanhar as "invasões" e evitar badernas e excessos.O "Movimento Sem Teto Oeste" foi o que mais ações realizou nesta noite. Cerca de 500 famílias - cada uma com número variando de três a cinco pessoas - tomou um prédio particular abandonado na Avenida Santa Inês. Outras 400 pessoas ocuparam um terreno de uma ferrovia, no Jaraguá, pertencente ao governo federal.Outras 400 famílias do mesmo grupo entraram num edifício da Incol, na Barra Funda. Um número menor, cerca de 300 famílias, invadiu um prédio da Caixa Econômica Federal, na Praça Roosevelt, no centro.Cerca de 700 famílias, integrantes do "Movimento Sem Teto Leste 1", ocuparam um prédio do governo federal na Moóca. Da "União de Luta de Cortiços", um grupo de 500 famílias invadiu um galpão do INSS no Brás. E na região central da cidade, outras 600 famílias integrantes do "Movimento Sem Teto do Centro", tomou um prédio particular, na Rua Conselheiro Crispiniano.O maior grupo, com um número aproximado de 1.500 famílias, pertencente à "União de Movimentos de Moradia Independentes da Zona Sul", ocupou um terreno particular nas proximidades do Cemitério São Luiz. Três pessoas foram detidas e, segundo a PM, só serão liberadas após a desocupação do terreno. Uma das ocupações, que seria realizada no bairro da Consolação, foi frustrada porque a polícia chegou antes e não permitiu a invasão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.