Movimentos Sociais declaram apoio a Lula e a candidato ao governo de PE

Mais de 40 entidades sociais, sindicais e organizações não governamentais formalizaram nesta quarta-feira seu apoio às candidaturas de Eduardo Campos (PSB) ao governo do Estado de Pernambuco e à reeleição do presidente Lula (PT). A disposição é se engajar nos atos das campanhas já neste final de semana. A partir da próxima segunda-feira começa a ser definido o calendário de atividades eleitorais, no comitê dos movimentos sociais que seria inaugurado na noite desta terça-feira."Vamos avermelhar o Estado e a campanha de Eduardo (de cor amarela)", afirmou o dirigente estadual do MST, Alexandre Conceição, ao lado de representantes do Fórum Permanente pela Ética na Política, que integra sem-teto, sem-terra, movimento de mulheres, Igreja popular, negros e sindicatos.Em uma carta aberta a Eduardo Campos, o Fórum pediu compromissos com a ética, fim do nepotismo, fortalecimento do controle e fiscalização dos mecanismos de administração e utilização de recursos públicos, acesso à senha do Sistema Integrado de Administração Financeira para Estados e Municípios (Siafem) para controle da execução orçamentária e ampliação do Orçamento Participativo para todos os municípios.O MST, que vinha cobrando metas não cumpridas de reforma agrária no governo Lula, colocou as críticas de lado. "A hora, agora, é de luta pela democracia, que não pode retroceder, pelo processo de autonomia e de luta dos movimentos, é contra o fascismo representado pelo candidato Alckmin", afirmou Conceição. No plano estadual, os movimentos condenam a política do ex-governador e senador eleito Jarbas Vasconcelos (PMDB) e são contra o governador-candidato Mendonça Filho (PFL), aliado de Jarbas. "Este governo é autoritário, persegue os movimentos sociais e tem altos índices de violência", resumiu o presidente da CUT no Estado, Sérgio Goiana.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.