Nilton Fukuda/Estadão
Nilton Fukuda/Estadão

MP abre investigação para apurar conflitos em Pacaraima

Segundo o órgão, procedimento tem o objetivo de responsabilizar os culpados pelos crimes, independentemente da nacionalidade

O Estado de S.Paulo

22 de agosto de 2018 | 20h27

O Ministério Público do Estado de Roraima (MPRR) instaurou nesta quarta-feira, 22, uma investigação para apurar os conflitos do último sábado em Pacaraima, na fronteira com a Venezuela. Segundo o órgão, a investigação tem como objetivo responsabilizar os culpados pelos crimes praticados, independentemente da nacionalidade.

Durante uma manifestação, no sábado, parte da população agrediu e destruiu acampamentos de venezuelanos que vivem na cidade. Até bombas caseiras teriam sido jogadas em praças e nos abrigos improvisados nas ruas. Alguns venezuelanos também foram expulsos e deixados do outro lado da fronteira. Eles reagiram e uma confusão generalizada foi formada.

As investigações do MP começaram após a agressão ao comerciante Raimundo Nonato de Oliveira, de 55 anos, atacado na última sexta-feira, quando deixava seu estabelecimento em direção à casa onde mora, em Pacaraima. Bandidos amarraram suas mãos, o torturaram com uma chave de fenda e lhe roubaram R$ 23 mil, além de U$ 500. 

Oliveira foi socorrido a um hospital local, mas afirma que houve demora porque a ambulância que estaria à disposição não prestou o serviço de transferência para Boa Vista. O argumento era de que o retrovisor estaria quebrado, diz. "Eu sangrei muito, o médico disse que, se demorasse mais, teria morrido", afirma. 

Segundo o MP, há também relatos nas mídias sociais de que o Exército teria se recusado a levar o comerciante a Boa Vista. Oliveira ficou três dias internado e o episódio de violência teria sido o estopim para os conflitos do dia seguinte entre venezuelanos e brasileiros.

Trabalho

Um levantamento do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (Acnur), obtido com exclusividade pelo Estadão/Broadcast, mostra que 43,4% dos venezuelanos transferidos de Roraima para outros Estados desde abril têm ocupação. São 245 dos 564 imigrantes com mais de 18 anos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.