Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

MP cria Blog do Ônibus para avaliar serviço em SP

Iniciativa surgiu de reclamações de superlotação e longos intervalos; queixas vão subsidiar inquérito

Luísa Alcalde, O Estadao de S.Paulo

04 de junho de 2009 | 00h00

A Promotoria do Patrimônio Público e Social do Ministério Público criou há dez dias um blog para coletar informações e reclamações da população sobre o sistema de transporte coletivo da capital, prestado por empresas contratadas pela Prefeitura sob concessão ou permissão. A cidade tem 15 mil ônibus que circulam em 1,3 mil linhas, atendendo 6 milhões de passageiros por dia.A ideia de criar o Blog do Ônibus partiu do promotor Saad Mazloum, autor de um inquérito civil aberto em dezembro para apurar problemas na linha 8594-0, que faz o trajeto Cidade D?Abril-Praça Ramos. A representação partiu de um usuário do sistema contra a São Paulo Transportes (SPTrans) e a Viação Santa Brígida, que opera a linha.O passageiro Moisés Jardim de Araújo reclamava de superlotação e intervalo excessivo entre os coletivos. Na época, a SPTrans informou ao MP que os problemas relatados já haviam sido sanados e sugeriu ao promotor ouvir usuários que confirmariam as informações. Foi o que fez. Só que ele decidiu também englobar todas as regiões da capital. Agora serão apuradas a atuação da SPTrans, que gerencia o transporte coletivo na cidade, da Secretaria Municipal de Transportes, que firmou os contratos, e de agentes municipais que fiscalizam o serviço.Queixas e observações postadas no blog pelos usuários vão servir para subsidiar o inquérito. Se apurada omissão por parte da Prefeitura e de seus agentes, o Ministério Público poderá propor uma ação civil pública contra a administração municipal. "Tal omissão poderá configurar ato de improbidade que atenta contra os princípios da administração pública", diz Mazloum. Ele quer saber como as eventuais penalidades pelo não cumprimento do serviço estão sendo aplicadas às concessionárias. No dia 26, Mazloum encaminhou ofícios à SPTrans requisitando, no prazo de 10 dias, sob pena de responsabilização civil e criminal, cópias de todos os contratos de concessão do serviço de transporte coletivo, aditamentos e informações sobre a frota de ônibus, com o número de veículos dentro e fora do horário de pico e os intervalos programados para operar em cada linha.O promotor pediu à Prefeitura as reclamações feitas por usuários contra cada uma das empresas de ônibus e o que os agentes municipais têm feito de concreto para resolver os problemas apontados. Levantamento prévio sinalizou ao MP que a região da zona sul é a mais problemática, até com ônibus depredados como forma de protesto contra a má qualidade do serviço.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.