MP denuncia 22 PMs e outros 24 por tráfico de drogas no Rio de Janeiro

Ao menos 2 foram presos pela PF, que desencadeou ação; suspeitos por morte de juíza estão envolvidos

Solange Spigliatti, estadão.com.br

25 Novembro 2011 | 13h30

SÃO PAULO - O Ministério Público do Rio denunciou nesta sexta-feira, 25, 22 Policiais Militares e mais 24 envolvidos com o tráfico de drogas no Complexo do Salgueiro, em São Gonçalo, na Baixada Fluminense, entre elas uma advogada. As denúncias foram baseadas em investigações da Polícia Federal, que culminaram na Operação Martelo de Ferro desencadeada hoje no Rio. Ao menos duas pessoas foram presas.

Segundo a denúncia, os PMs, lotados no 7º BPM (São Gonçalo) são acusados de formação de quadrilha armada para praticar os crimes de concussão, extorsão, sequestro, peculato, homicídio qualificado, entre outros.

Os policiais, segundo o MP, se revezavam no recebimento de dinheiro e vantagens dos traficantes para não reprimir o comércio de drogas no Complexo do Salgueiro. Eles também são acusados de libertar integrantes do tráfico presos em flagrante e de devolver cargas de drogas apreendidas. Nos chamados "arregos", os PMs cobravam dos traficantes de R$ 500 a R$ 10 mil, dependendo do tipo de extorsão.

Com base na investigação da PF, a Corregedoria da Polícia Militar prendeu recentemente 18 dos policiais denunciados. Três deles têm o mandado de prisão cumprido nesta sexta-feira: Clewton Martins Coelho, Julio Cesar de Azevedo Alves Neto e Marcondes Luciano do Nascimento.

De acordo com o MP, outros dois policiais denunciados, Jovanis Falcão Junior e Carlos Adílio Maciel Santos, são acusados no processo que apura a morte da juíza Patrícia Acioli.

Os fatos apurados na investigação da Polícia Federal revelam a prática de obtenção de valores, armas e drogas dos traficantes, vulgarmente conhecida como "espólio de guerra", que estaria diretamente relacionada à morte da juíza, cuja atuação estaria prejudicando a arrecadação desses policiais, segundo o MP.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.