MP do Rio recorre de decisão que absolveu PM por morte de João Roberto

Menino foi baleado após policiais confundirem carro que era perseguido na Tijuca, na zona norte

Fábio Grellet, O Estado de S.Paulo

28 Novembro 2011 | 19h51

RIO - O Ministério Público do Rio recorreu nesta segunda-feira, 28, ao Tribunal de Justiça do Rio da decisão que absolveu o ex-policial militar Elias Gonçalves da Costa Neto, acusado de matar o menino João Roberto Amorim Soares, de 3 anos, em 2008. Costa Neto foi inocentado pelo Tribunal do Júri do Rio em julgamento no último dia 24.

Para o promotor Riscalla João Abdenur, autor do recurso, o veredicto dos jurados foi contraditório. Segundo ele, os jurados reconheceram Costa Neto como um dos autores dos disparos que mataram a criança, mas decidiram absolvê-lo. "(Os jurados) reconheceram ser ele um dos autores, mas, por motivos desconhecidos até mesmo da defesa, tomaram uma decisão contraditória", diz Abdenur.

Na apelação, o promotor menciona decisão do Superior Tribunal de Justiça que reconhece a obrigatoriedade de repetir quesitos contraditórios, o que não foi feito no caso.

João Roberto estava no carro da mãe, na Tijuca, zona norte do Rio, quando foi atingido por tiros disparados pelos então PMs Elias e William de Paula, que teriam confundido o veículo com um carro de criminosos. Paula já foi absolvido.

Mais conteúdo sobre:
João Roberto Tijuca Rio perseguição PMs

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.