MP é contra pedido do criminoso 'Xuxa' de fazer 'visitas ao lar'

Condenado a mais de 23 anos de prisão, bandido é autor da morte do jornalista Tim Lopes em junho de 2002

Solange Spigliatti, estadao.com.br

27 de janeiro de 2009 | 08h13

O Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro manifestou-se, nesta segunda-feira, 26, contrário ao pedido feito pela defesa de Claudino dos Santos Coelho, o Xuxa, para que ele ganhasse o direito de "fazer visitas periódicas ao lar". Segundo o MP, "Xuxa" torturou e assassinou o jornalista Tim Lopes, durante uma reportagem sobre prostituição infantil em bailes funk na favela de Vila Cruzeiro em 2 de junho de 2002 e foi condenado a 23 anos e seis meses de reclusão. Mas alegando bom comportamento, pediu à Justiça a concessão do benefício. O MP, que já havia sido contra a progressão de regime do condenado, não constatou em seu comportamento nenhum ato positivo que pudesse justificar as visitas fora da prisão.  Para o Promotor Fabiano Rangel Moreira, responsável pelo caso, isso poderia servir como uma oportunidade de fuga, o que colocaria em risco não apenas o cumprimento da pena, mas a própria sociedade, pois se trata de um criminoso de alta periculosidade.  A pena, segundo o MP, deve ser cumprida integralmente e a única forma de visita possível seria dentro da prisão.

Tudo o que sabemos sobre:
Tim LopesXuxaprisão

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.