MP estuda cobrar Vale e BHP em caso de falência da Samarco

Nesta segunda, a Justiça de Minas Gerais mandou que a Samarco recolha mais R$ 1 bilhão para a cobertura de danos pela tragédia

Leonardo Augusto, Especial para O Estado

01 de dezembro de 2015 | 16h42

BELO HORIZONTe - O Ministério Público já trabalha com a possibilidade de falência da Samarco por conta das despesas com reparação ambiental pelo rompimento da barragem da empresa no distrito de Bento Rodrigues, em Mariana, Minas Gerais, e estuda cobrar participação das duas controladoras da mineradora, Vale e BHP Billiton, na cobertura dos prejuízos. 

Segundo o procurador Bruno Magalhães, do Ministério Público Federal (MPF) em Governador Valadares, leste de Minas, e o promotor Mauro da Fonseca Ellovitch, do Ministério Público Estadual (MPE), além de decisões judiciais exigindo recursos da empresa, e acordos prevendo a criação de fundo, é preciso estudar também medidas para garantir arresto de patrimônio físico da mineradora.

Magalhães e Ellovitch, que participam de força-tarefa respectivamente no MPF e no MPE para investigar as causas do rompimento da barragem da Samarco, participaram nesta terça-feira, 1º, de reunião da comissão extraordinária aberta na Assembleia Legislativa também para apurar a queda da represa da mineradora. O acidente ambiental, considerado o maior já ocorrido no Brasil, já tem onze mortes confirmadas. Oito pessoas estão desaparecidas e dois corpos aguardam por identificação.

No dia 16 de novembro, a empresa fechou acordo com o MPF e o MPE para depósito de R$ 1 bilhão que será utilizado para ações de recuperação ambiental. Nesta segunda, 30, a Justiça de Minas Gerais, a pedido do governo do Estado e órgãos ambientais do governo, mandou que a Samarco recolha mais R$ 1 bilhão também para a cobertura de danos pela tragédia em Mariana, além de repassar R$ 50 milhões por gastos já feitos pelos órgãos ambientais mineiros. 

Além disso, a empresa já foi multada em R$ 1,2 milhão por não honrar o compromisso fechado com o MPF e MPE de depositar integralmente metade de R$ 1 bilhão na última quinta-feira, 26. A mineradora afirma que fará o pagamento nesta quarta, 2. Em outra decisão judicial, a Samarco também teve bloqueados R$ 300 milhões em uma ação para que arque com os prejuízos causados pela queda da barragem.

Segundo Magalhães, depois da fase inicial da força-tarefa, que foi de acompanhamento de pedidos feitos pelo MPF, como o de que a Samarco garantisse o fornecimento de água para a população ao longo do Rio Doce, atingido pela lama da barragem, o momento agora é de se preocupar em garantir que a empresa tenha os recursos suficientes para pagar pelos danos.

"Além do termo prevendo R$ 1 bilhão, é necessário garantir que algum patrimônio da empresa seja reservado", afirmou o procurador. Para o promotor Ellovich, se for necessário, a empresa tem de trazer recursos de fora do País. "Caso a empresa se torne insolvente, vamos pedir reparação às suas controladoras", disse. O defensor público Aylton Magalhães, que atua na área dos direitos humanos, tem o mesmo posicionamento. "A preocupação é se a Samarco sozinha tem capital suficiente para arcar com o dano", disse. O defensor também quer o acionamento da Vale e da BHP Billiton em caso de quebra da Samarco.

Risco. A reunião não contou com representantes da mineradora, que serão ouvidos entre os dias 14 e 18 de dezembro. Segundo o promotor Ellovich, a Samarco até o momento não conseguiu apresentar um plano de emergência completo em caso de rompimento da barragem de Germano, que passa por trabalhos de reforço, e também por ruir. 

"Tudo o que recebemos são pedidos por mais prazo", disse. "Ninguém em Minas Gerais hoje sabe o que pode acontecer se a represa ruir. Diante disso não podemos ser otimistas", afirmou. A Samarco não havia retornado contato feito pela reportagem até as 16h30 desta terça. Além de provocar mortes e destruir o distrito de Bento Rodrigues, a lama da Samarco chegou ao litoral do Espírito Santo, onde o Rio Doce deságua, há pouco mais de uma semana, atingindo uma área de 27 quilômetros quadrados no mar conforme informações da própria empresa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.