MP investiga possíveis danos ambientais

A ocupação irregular das represas se tornou um dos principais focos de atuação das curadorias ambientais do Ministério Público Estadual. Apenas na área da represa de Itupararanga, foram abertas 22 investigação de crimes ambientais nos últimos dois anos. Um deles, em Votorantim, visa a apurar se o plano de expansão do Clube Náutico Belas Artes está de acordo com a lei. De acordo com o promotor público Luiz Szikora, a suspeita é de que a expansão seja um loteamento disfarçado. Há dois anos, quando o nível da represa baixou muito, promotores das várias comarcas abrangidas pela Área de Proteção Ambiental decidiram agir juntos na defesa do manancial. Em Ibiúna, o lançamento de esgotos nos rios formadores da represa também resultou em ações do MP. Também há processos nos fóruns de Mairinque, Cotia e Piedade. A represa de Jurumirim é objeto de mais de 50 ações ambientais. A área conhecida como Ilha do Sol, empreendimento da prefeitura de Paranapanema, está embargada. O MP abriu inquérito para apurar danos ambientais resultantes da abertura e pavimentação de avenida na margem da represa. A prefeitura havia se comprometido, entre outras coisas, a plantar 21 mil mudas nativas. O plano de recuperação ainda não foi cumprido.

José Maria Tomazela, O Estadao de S.Paulo

13 de janeiro de 2009 | 00h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.