Paris Filmes
Paris Filmes

AO VIVO

Acompanhe notícias do coronavírus em tempo real

MP monta força-tarefa nacional para investigar João de Deus e cogita fechar casa

Um email foi criado especialmente para receber denúncias (denuncias@mpgo.mp.br); força-tarefa deverá realizar uma avaliação de processos arquivados contra o líder religioso por falta de prova

Lígia Formenti, O Estado de S.Paulo

10 de dezembro de 2018 | 11h49

GOIÂNIA - O Ministério Público de Goiânia montou uma força-tarefa nacional para investigar as denúncias de abusos sexuais e outros crimes atribuídos ao líder religioso João de Deus. São quatro promotores e duas psicólogas que vão se dedicar a investigar os casos. Até agora, vítimas ainda não se apresentaram formalmente ao Ministério Público. "Dependemos desses relatos para instruir a investigação e para que a Justiça seja realizada", afirmou o promotor Steve Gonçalves Vasconcelos, de Alexânia, a cidade onde João de Deus faz os atendimentos. Um email foi criado especialmente para receber denúncias (denuncias@mpgo.mp.br).

Luciano Meireles, coordenador do centro de apoio operacional criminal do Ministério Público de Goiás,  afirmou que vítimas de outros Estados podem buscar também o Ministério Público mais próximo para prestar depoimentos. As investigações ficarão concentradas em Goiás.

 De acordo com as investigações, não está descartada a determinação da prisão preventiva do líder religioso e do fechamento da casa onde ele presta atendimento. Um procedimento específico para o fechamento da casa foi iniciado.

"Testemunhas que saibam de qualquer atendimento podem entrar em contato com o Ministério Público, incluindo as que vivem no Exterior", afirmou a coordenadora do centro de apoio operacional de Direitos Humanos, Patrícia Otoni. "É importante que todas prestem depoimentos, para que possamos somar o que ocorreu no local", disse a coordenadora.

Além dos depoimentos, a força-tarefa deverá realizar uma avaliação de processos arquivados contra o líder religioso por falta de prova. "Identificamos alguns processos. Conforme depoimentos forem coletados, poderemos reabrir os casos."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.