MP pede impugnação da candidatura de Nilmário Miranda

O Ministério Público Eleitoral em Minas Gerais informou nesta quinta-feira que propôs impugnação à Justiça Eleitoral de 94 candidaturas no Estado em decorrência de várias irregularidades que, caso não sejam apresentadas prova em contrário, tornam inelegíveis os candidatos. Entre eles, Nilmário Miranda (PT), que disputa o governo mineiro pela coligação "A Força do Povo" (PT, PMDB, PC do B e PRB). Segundo o MP, Nilmário não apresentou prova de afastamento (desincompatibilização) do cargo de ministro da Secretaria Especial dos Direitos Humanos, no período de seis meses antes das eleições, conforme exige a legislação.A assessoria de imprensa de Nilmário disse no início da noite de quinta-feira que o candidato petista deixou o cargo de ministro "há quase um ano" e que sua candidatura não corre "nenhum risco".Também foram constatadas irregularidades em 25 candidaturas, como a do ministro do Tribunal de Contas da União (TCU), Humberto Souto, que não comprovou ter-se filiado ao PPS em tempo hábil, conforme exige a lei. A terceira causa de inelegibilidade, na qual incorreram 19 candidatos, é a falta de quitação eleitoral. É o caso do deputado federal Cabo Júlio e do ex-ministro da Saúde, Saraiva Felipe, ambos do PMDB. Nas eleições passadas eles foram condenados ao pagamento de multa, mas, segundo o MP, ainda não quitaram seus débitos junto à Procuradoria da Fazenda Nacional. Também foram identificados casos em que os candidatos não comprovaram escolaridade.A assessoria de imprensa do MP esclareceu que o candidato sujeito à impugnação terá prazo de defesa de sete dias contados a partir da notificação pelo Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais (TRE-MG). O prazo ainda não começou a correr, porque os candidatos ainda não foram notificados.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.