MP pede mais prazo para investigação do acidente da Gol

O procurador da República em Mato Grosso, Thiago Lemos de Andrade, pediu à Justiça Federal a prorrogação de mais 30 dias para que a Polícia Federal conclua o inquérito que investiga o acidente entre o Legacy e o 1907 da Gol, que deixou 154 mortos em 30 de setembro de 2006. Para o Ministério Público Federal as apurações feitas até agora não são suficientes para identificar se os dois pilotos norte-americanos, Joseph Lepore e Jan Palladino, agiram com dolo (com intenção) ou culpa (sem intenção)."Não basta ter a certeza sobre o crime, tem que saber qual foi esse crime", observou. Joseph Lepore eJan Palladino, já foram indiciados pelo artigo 261 que pune a quem põe em perigo embarcação ou aeronave. De acordo com o procurador, pode-se assegurar "com razoável segurança que o acidente foi causado, senão exclusivamente, ao menos em grande parte, por falha humana, que pode ser caracterizada como um ato criminoso, ma ainda não é possível medir a gravidade da falhas cometidas". Durante entrevista coletiva nesta quinta-feira, o MPF além de solicitar prazo listou dez procedimentos que devem esclarecer dúvidas e "caracterizar legalmente a atitude dos pilotos". Dentre elas estão a identificação e o depoimento dos controladores de vôo do centro Amazônico que trabalhavam no dia do acidente, a solicitação ao Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aéreos (Cenipa) das cópias de todos os documentos com informações, especialmente o laudo relativo à pericia no transponder do jato Legacy. O procurador salientou que "essa é uma das condições essenciais para definir se os dois desligaram o equipamento ou se ele deixou de funcionar". O MPF sabe, segundo ele, que o aparelho não estava quebrado, nem com defeito. "O que temos que saber é se os pilotos o desligaram ou se ele não funcionou por qualquer tipo de falha", afirmou.Segundo Thiago Lemos os controladores de vôo do Centro Amazônico, que operavam por Manaus, até hoje não foram identificados, qualificados e ouvidos. Faltam também documentos que descrevam as condições de vôo: altitude, velocidade, rumo, entre outras; assim como quais os dispositivos da aeronave à disposição dos pilotos e equipamentos usados na hora do acidente.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.