MP pede quebra de sigilo telefônico de Sérgio Naya

O Ministério Público pediu hoje a quebra do sigilo telefônico do ex-deputado e empresário Sérgio Naya, no período em que ele esteve preso na carceragem especial da Polícia Interestadual, no Ponto Zero, entre março e julho. Naya é o dono da construtora Sersan, que construiu o edifício Palace 2, que desabou em 1998, no Rio de Janeiro. O promotor Rodrigo Terra, da Promotoria de Defesa da Cidadania, e a promotora Dora Beatriz Costa, da Promotoria de Investigação Penal, querem saber se o empresário negociou por celular a venda de um hotel em Orlando, na Flórida.O hotel Sandy Lake Towers foi arrematado pelo empresário americano David Siegel, que era credor de Sérgio Naya. Ele é proprietário da empresa Westgate Resorts e da off-shore Silver Holding, da qual Naya já foi procurador. O hotel, avaliado em US$ 30 milhões, havia sido hipotecado pelo ex-deputado para obter um empréstimo de US$ 16,5 milhões. Como a hipoteca, comprada por Siegel, não foi paga, a juíza Karen S. Jennemann, do Tribunal Federal de Falências, em Orlando, determinou o leilão. Siegel pagou um preço simbólico de US$ 100. O negócio foi feito sem o conhecimento do Tribunal de Justiça. O pedido de quebra de sigilo telefônico será distribuído para uma das varas criminais do Fórum.Os promotores também encaminharam pedido à Polícia Civil para abertura de inquérito policial a fim de apurar a denúncia de que pelo menos oito pessoas teriam recebido indevidamente indenizações pela queda do edifício Palace 2 - sete delas são da mesma família, que alegam ter se hospedado no prédio, e o oitavo é um chileno, que apresentou um documento particular de compra de um dos apartamentos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.