MP quer devolução de R$ 1 bi por obras da Cidade da Música

Obra custou R$ 490 milhões e foi iniciada sem previsão de gasto final; ex-prefeito César Maia é um dos reús

Solange Spigliatti, da Central de Notícias,

21 de maio de 2009 | 10h52

O Ministério Público (MP) do Estado do Rio de Janeiro ingressou nesta quarta-feira, 20, com ação civil pública contra seis pessoas, entre elas o ex-prefeito César Maia, e quatro empresas por improbidade administrativa na execução das obras da Cidade da Música, no Rio.

 

O MP pede a suspensão por oito anos dos direitos políticos de César Maia e a devolução aos cofres públicos de aproximadamente R$ 1 bilhão (R$ 1.035.237.426,49). No cálculo estão incluídos multas previstas pela Lei de Improbidade Administrativa, dano moral coletivo e gastos com a inauguração, considerada ilegal pelo MP.

 

Segundo cálculos da instituição, a Cidade da Música custou R$ 490.428.172,18, "valores gastos sem que o governo tivesse a menor ideia do custo total final", afirmou o promotor de Justiça Gustavo Nogueira.

 

Também foram processados o ex-Secretário Municipal de Obras, Eider Dantas; o ex-secretário municipal das Culturas, Ricardo Alves Macieira; o ex-diretor presidente da Empresa Municipal de Urbanização (RioUrbe), João Luiz Reis da Silva; o ex-diretor de administração e finanças da RioUrbe, Gerônimo de Oliveira Lopes; e o ex-diretor presidente da RioUrbe, Jorge Roberto Fortes.

 

As empresas acusadas são a Carioca Christiani-Nielsen Engenharia, Andrade Gutierrez, Técnicas Eletro Mecânicas Teletem e Dimensional Engenharia.

Mais conteúdo sobre:
Cesar MaiaCidade da Música

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.