MP vai recorrer de absolvição de vereadores de Porto Ferreira

Cassio Roberto Conserino, promotor de Porto Ferreira, região de Ribeirão Preto, disse hoje que vai recorrer ao Tribunal de Justiça de São Paulo de uma decisão judicial que condenou apenas parcialmente o ex-vereador Edivaldo Biffi, um dos acusados de aliciamento de meninas para orgias sexuais em ranchos e chácaras da cidade. A sentença do juiz Heitor Katsumi Miura é de 12 de dezembro de 2005, mas Conserino foi comunicado oficialmente apenas na última segunda-feira. Ele tem um mês para recorrer. Na sentença da ação, Biffi foi condenado à perda do mandato público (o que já ocorreu), tornou-se inelegível por oito anos, além de não poder ser contratado ou participar de empresa que dispute alguma licitação pública, por dez anos. Luiz Gonzaga Mantovani Borceda, João Lázaro Batista, Gerson João Pelegrini, Laércio Storti e Luís César Lanzoni foram inocentados por Miura. O promotor Conserino vai tentar a condenação de todos no recurso.Em agosto de 2003, empresário e vereadores de Porto Ferreira foram presos sob acusação de aliciamento de meninas para festas com orgias sexuais. Dos 14 julgados pela Justiça, 12 foram condenados e dois absolvidos. Quatro estavam em liberdade há algum tempo e um, ainda foragido desde que o caso tornou-se público. Ontem, Laércio Storti foi colocado em liberdade condicional. Os demais continuam presos, mas devem concluir suas penas mínimas nos próximos meses.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.