MPE acusa 45 de integrar PCC no Vale do Paraíba

O Ministério Público Estadual (MPE) ofereceu ontem denúncia (acusação formal à Justiça) contra 45 supostos integrantes do Primeiro Comando da Capital (PCC) que atuavam em cidades do Vale do Paraíba, no interior do Estado. Também foram solicitados o bloqueio de três contas correntes usadas pelo bando para movimentar dinheiro arrecadado com o tráfico de drogas e o sequestro judicial de quatro veículos apreendidos com os criminosos - um Celta, uma Blazer e duas motos.A denúncia é resultado da Operação Cadmo - investigação conjunta dos promotores do núcleo do Vale do Paraíba do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) e da Delegacia de Investigações Gerais (DIG) de Taubaté -, deflagrada no dia 2. Na ocasião, 22 pessoas foram presas, a maioria delas em Taubaté. Outros integrantes da quadrilha agiam de dentro de presídios do Estado. Após quatro meses de interceptações telefônicas autorizadas pela Justiça, promotores e policiais concluíram que as ordens partiam de Joel do Prado, o Português, apontado como "disciplina" do PCC (articulador entre a cúpula da facção e outros criminosos, presos ou em liberdade).Segundo as investigações, Prado atuava ao lado de Luiz Alves da Silva, o Urso. As mulheres dos dois - Maria José Manoel Gomes e Maria Aparecida da Silva - tinham intensa participação na organização criminosa, auxiliando no recolhimento do dinheiro obtido com o tráfico de drogas, efetuando depósitos nas contas bancárias indicadas pelos maridos e, no caso de Maria José, armazenando e distribuindo entorpecente.Além de repassar ordens dos chefes da facção, Prado e Silva faziam ainda o cadastramento das "biqueiras", a fim de manter um rígido controle sobre a movimentação financeira nos pontos de venda de drogas. O bando havia ainda arregimentado três adolescentes de Taubaté. Dois deles estavam envolvidos diretamente com a venda de entorpecentes, e o outro atuava no departamento financeiro da quadrilha. O detalhamento dos nomes e da participação dos três foi encaminhado para a Vara da Infância e Juventude.Os 45 denunciados ontem pelo Gaeco são acusados de associação para o tráfico de drogas (artigo 35 da Lei nº 11.343/06), agravado pelo emprego de adolescentes no crime. Se a Justiça aceitar a acusação, os envolvidos passarão a ser réus em um processo criminal.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.