MPE já fala em ação judicial contra o Masp

Em reunião realizada ontem, o Ministério Público Estadual (MPE) e o Masp não chegaram a um acordo sobre como gerir a instituição. Agora, os promotores pretendem entrar com medidas judiciais contra a administração do museu.O MPE apresentou uma análise contábil dos últimos 18 anos do Masp, com gráficos e quadros mostrando as dificuldades financeiras. Com base no trabalho da promotora Mariza Schiavo Tucunduva, propôs-se que a instituição fizesse uma assembléia de associados e apresentasse os problemas - considerados "graves". Também se pediu a entrada do governo federal e estadual no estatuto - o que interferiria na gestão. O Masp não aceitou as sugestões e pediu 30 dias para analisar os documentos. Estavam presentes na reunião o presidente do museu, Júlio Neves, o diretor do Departamento de Museus do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), José do Nascimento Junior, e o secretário-adjunto de Cultura do Estado, Ronaldo Bianchi. O Ministério Público também não aceitou as reivindicações da instituição. "O MP tem uma preocupação grave com a situação financeira do Masp", observou Nascimento Junior. Na parte da manhã, o diretor do Iphan havia feito sua primeira visita à Pinacoteca do Estado depois do roubo à Estação Pinacoteca e conversou com o diretor do museu, Marcelo Araújo. "De concreto, estamos acelerando os trâmites para a liberação, o quanto antes, de verba do BNDES para a Pinacoteca", afirmou Nascimento. Ele elogiou o trabalho "tranqüilo" do museu em seu novo programa de segurança.BOM RELACIONAMENTOSegundo Ronaldo Bianchi, não estão ocorrendo "conversas estreitas" entre a Secretaria de Cultura e o Departamento de Museus, mas sim um bom relacionamento. Dentro do novo plano de segurança, já foi colocada guarda armada na porta dos dois prédios e serão instalados entre sexta e segunda-feira detectores de metais.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.